meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                  PEDRO BU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

MORTAIS

(Pedro Du Bois, inédito)

 

A morte nos encontra

na vida que se apresenta frouxa

e o riso é pouco para nos manter

na hora em que o barulho aumenta

e a tormenta cai em gotas de tortura

em sofrimentos e aceitamos a ordem

de irmos embora

soluçam os que ficam

             os que não viram

a senhora chegar aos poucos

e a hora do espanto assusta

o que não percebemos

e já está ao lado

e pelas costas o vulto

se afasta levando o que lhe interessa

: deixa a carne e o sangue

que nos faziam vivos e crentes

da imortalidade do corpo

escopo de que somos retirados

em outra vida de meras flores

depositadas espaçadamente.

------------------------------------------------------------

MORTALS

(Pedro Du Bois, inédito)

(Marina Du Bois, English version)

 

Death finds us

in the loose life

and laugh is too little to sustain us

at the time noise increases

and the storm falls in drops of torture

in sorrow we accept the order

to leave

sob those who stay

       those who have not seen

you reach gradually

and spooky time scares

what we do not realize

and is already at our side

and by the back the figure

moves away taking what is of interest

: leaves flesh and blood

what made us alive and believers

of the body’s immortality

scope that we are drawn from

in another life of mere flowers

spaced apart.


------------------------------------------------------------

outros poemas:
https://plus.google.com/u/0/108438516741639533660
http://pedrodubois.blogspot.com.br/