meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                 ENTREVISTA

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Caíto Marcondes: a inquietude de um artista
                                                                                            Angelo Mendes Corrêa e Itamar Santos*

Nascido no Rio de Janeiro, mas criado em Taubaté, no interior de São Paulo, Caíto Marcondes desde a infância deixou-se fascinar pela magia dos sons. Sobrinho de Geny Marcondes e Hans Joachin Koellreutter, duas legendas da música brasileira no século XX, pensou em ser arquiteto, mas o desejo de tornar-se músico falou mais alto, ainda nos primeiros anos do curso de arquitetura, na Universidade de São Paulo. Daqueles tempos até hoje, são mais de 40 anos e seu nome tem corrido o mundo como compositor, arranjador, percussionista e produtor.

Quando a descoberta da música?
Os sons sempre me despertaram interesse, desde muito pequeno. A algaravia do material de cozinha, o canto dos pássaros, o sussurro das folhas das palmeiras, o apito do trem ao longe, os cascos dos cavalos no calçamento de paralelepípedos e, mais tarde, a música dos bailes, no clube da cidade do interior onde eu morava, trazidos pelo vento, à noite, através da minha janela. Um pouco mais graúdo, eu ia passar as férias de verão na casa de minha tia Geny, no Rio de Janeiro, e lá tive contato com um seleto grupo de músicos, tais como Koellreutter (seu marido, na época), Turíbio Santos, Baden Powell e por aí afora, que frequentavam a casa dela. Lembro-me, sobretudo, da polirritmia, originada pelas rodas do trem, nas emendas dos trilhos. Foi quando a percussão começou a se instalar dentro de mim.

Ser sobrinho de dois músicos legendários, como Geny Marcondes e Hans Joachin Koellreuter, foi decisivo para que deixasse a arquitetura e se tornasse músico? Pode nos contar um pouco sobre sua convivência com eles?
Na verdade, eu sempre me considerei músico. Aos oito anos, comecei a estudar piano, no conservatório local, depois violão e, em seguida, bateria. Morei em Taubaté até os 17 anos e meu irmão, hoje cirurgião plástico, tinha um conjunto de baile, cujos ensaios eram na garagem de nossa casa. A bateria já me fascinava e de vez em quando, durante os intervalos, eu dava uma canjinha. Meus pais montaram uma sala de música em casa, munida de bateria, órgão e guitarras. Eu tocava um pouco de cada um e cheguei a formar meu próprio conjunto. Minha tia Geny vinha nos visitar de tempos em tempos e me passava algumas dicas de harmonia no teclado. Mas tudo de maneira muito informal. Quando tive que optar por uma faculdade, escolhi arquitetura, pois a minha experiência com a abordagem acadêmica da música, no conservatório onde estudei piano, não havia me deixado boa impressão. Portanto, eu não quis submeter a minha paixão maior a um estudo formal. Além do mais, eu gostava muito de desenhar e de marcenaria. A arquitetura, então, me pareceu uma opção interessante. Prestei vestibular na USP (Universidade de São Paulo) e entrei na FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), aos 17 anos. Em São Paulo, passei a fazer o curso e me envolvi com outros músicos, formando minhas primeiras bandas. Estava cursando o segundo ano da FAU, quando um amigo, baterista, o Zé Eduardo Nazário, que tocava com o Hermeto Paschoal, me convidou para participar de um ensaio com ele. Ao final desse ensaio, o Hermeto me convidou para integrar a banda, na qual permaneci durante um ano, realizando vários concertos. Após a mudança do Hermeto para o Rio, eu decidi estudar música mais profundamente e procurei meu tio Koellreutter, que me orientou a fazer os cursos de harmonia e contraponto com Mario Ficarelli e de composição e análise com ele mesmo. Nessa época, também passei a fazer aulas de composição na ECA (Escola de Comunicações e Artes), da USP, como ouvinte, com Willy Correa de Oliveira e de piano, com Caio Pagano. Os estudos com o Koellreutter duraram alguns anos, até que minha inclinação para fazer uma música que incluísse a improvisação jazzística, fruto da minha rica experiência com Hermeto Paschoal, acabou por nos distanciar, embora continuássemos a manter contato até seu falecimento.

O que os estudos de piano acrescentaram em sua formação?
O piano é um instrumento completo, que contém toda a orquestra e é fundamental para o exercício de composição e arranjo, mas é também considerado um instrumento de percussão, embora poucos o saibam. Talvez por ter tido uma formação musical diferenciada, um tanto caótica do ponto de vista formal, e por força da minha própria personalidade inquieta e curiosa, encontrei na percussão a possibilidade de explorar um universo infindável de timbres e ritmos, inspirado pela liberdade criativa de percussionistas brasileiros que estavam fazendo música nos Estados Unidos com a nata do jazz, como Airto Moreira, que integrou a banda do Miles Davis e o Weather Report, de Joe Zawinul e Wayne Shorter. E Naná Vasconcelos, que conheci em Nova York, em 1980, assim como Doum Romão, Paulinho da Costa, Alyrio Lima e outros.

Qual a razão de defender a ideia de que temos uma percussão brasileira?
Essa ideia carece de defesa, pois nós temos um dos maiores mananciais de ritmos e instrumentos de percussão do planeta. Além de uma fonte inesgotável de recursos melódicos e uma variedade incrível de manifestações populares. Por conta disso, os percussionistas brasileiros são referência no mundo todo, tendo influenciado não apenas o jazz progressivo, mas até o flamenco, que teve o ‘cajon’ peruano a ele incorporado pelo percussionista baiano Rubem Dantas, curiosamente também pianista de origem, que convidado a tocar com Paco de Lucia, acabou por fazer com que o instrumento passasse a fazer parte dessa música tão tradicionalmente espanhola.

Dos artistas com quem dividiu o palco, de quais guarda as melhores lembranças?
Tive a sorte de tocar com grandes músicos, como Milton Nascimento, Marlui Miranda, Joyce, Paulo Moura, John Scofield, Naná Vasconcelos (com quem gravei o cd Sementeira), Nelson Ayres e John Surman(com os quais gravei o cd Fala de Bicho, Fala de Gente, de Marlui Miranda), o quarteto de cordas Turtle Island (que gravou comigo o cd Porta do Templo), o violinista Tracy Silverman (que participava do Turtle Island e se tornou um grande parceiro no cd North Meets South) e de fazer vários concertos com a Orquestra Jazz Sinfônica e a Orquestra Sinfônica de Curitiba. Mas o que deixou as marcas mais indeléveis em mim foi, sem dúvida, o Hermeto, um dos maiores músicos do mundo, pois me fez abordar a música com muita liberdade e, ao mesmo tempo, em profundidade, na sua incansável busca de aperfeiçoamento e excelência.

Como foi a experiência de fazer arranjos para a Orquestra Jazz Sinfônica, alguns anos atrás?
Foi uma grande oportunidade de experimentar a escrita sinfônica e poder ouvir o resultado, coisa muito rara no nosso país. O estudo de orquestração apenas se concretiza plenamente quando escrita e execução se sucedem, enriquecendo e solidificando seus conhecimentos teóricos. Tive o grande prazer de compor peças originais e interpretá-las como solista junto à Orquestra Jazz Sinfônica e também junto à Orquestra Sinfônica de Curitiba.

E de ter integrado a Orquestra Popular de Câmara?
O período de existência da Orquestra Popular de Câmara foi enriquecedor para todos que dela participaram, envolvendo a gravação de dois cds e uma grande turnê pela Europa, em 2003. Composta por excelentes instrumentistas e grandes amigos, pudemos ali experimentar novas formas de arranjos e improvisação, numa instrumentação pouco usual, que utilizava piano, contrabaixo, viola caipira, sanfona, três sopros: flauta/sax, flauta/sax e clarinete, quatro percussionistas e uma voz feminina usada como instrumento. Tive o prazer de ter minha composição escrita especialmente para a orquestra, chamada Malunga, escolhida para compor um sampler lançado anualmente por um pool de festivais europeus. 

Qual o espaço de divulgação da música em tempos de mídias digitais?
Esse espaço é enorme e facilita em muito a divulgação dos trabalhos musicais, pois é geralmente gratuito e atinge todos os recantos do globo. A questão é que há uma avalanche de publicações sem nenhuma seleção prévia, o que faz com que o ouvinte tenha o imenso trabalho de filtrar as obras que realmente interessam em termos de qualidade. As produções que tem mais verba para fazer os impulsionamentos pagos e também a compra de ‘likes’ e seguidores robóticos, acabam por conseguir fazer suas músicas deslancharem e, por vezes, se alçarem à posição de grandes artistas, muitas vezes sem a necessária qualificação. Ou seja, vivemos a era da fama imediata para os que conseguem a façanha de alcançar um número de seguidores e de visitas ou ‘likes’ que os colocam nesse privilegiado, porém nem sempre merecido, reconhecimento.

No Brasil, é possível sobreviver fazendo música instrumental? Em mais de quatro décadas de carreira, que momentos destaca como mais significativos?
A sobrevivência do artista sempre foi uma batalha difícil, inconstante e instável. No caso dos músicos brasileiros, reconhecidos em todo o planeta, a saída muitas vezes tem sido o aeroporto mesmo. O nosso país, infelizmente, não apoia devidamente a arte local, fazendo com que o público também não o faça. Temos um imenso trabalho de educação pela frente e o que vemos acontecer são mudanças constantes na política cultural, que variam de grau e de eficácia de acordo com interesses puramente eleitoreiros, o que acaba mais por confundir do que esclarecer a situação das coisas.

Projetos futuros em pauta?
Sempre tenho novos projetos à frente, porque é assim que deve ser. Tenho a inquietude de ser um compositor, arranjador, percussionista e produtor. Gosto dessa variedade de demandas que, além de me alimentarem o espírito, também me ajudam na sobrevivência. Posso dizer que tenho me dedicado mais a compor trilhas para audiovisuais e, principalmente, projetos que envolvem arranjos para quarteto de cordas e orquestra.
*Angelo Mendes Corrêa é doutorando em Arte e Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP), professor e jornalista. Itamar Santos é mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP), professor, ator e jornalista.