meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                 ENTREVISTA

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Emerson Danesi: o fazer político e estético do teatro


                                                                      Angelo Mendes Corrêa e Itamar Santos*

Formado em Publicidade e Propaganda pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo e em Teatro pela Fundação de Artes de São Caetano do Sul, o ator, produtor e diretor Emerson Danesi ingressou no Centro de Pesquisa Teatral (CPT) do Sesc São Paulo, criado e dirigido por Antunes Filho, em 1996. Em seu currículo estão espetáculos com imenso êxito de público e crítica, como Lamartine Babo, Marguerite Mon Amour, O Canto de Gregório, Antígona, Policarpo Quaresma, O Céu Cinco Minutos Antes da Tempestade e A Pedra do Reino.
Quando a descoberta do teatro e a opção de nele trabalhar?
Na verdade, iniciei na Faculdade de Comunicação Cásper Libero. Fazia, então, o curso de Publicidade e Propaganda e Marlene Fortuna, que foi atriz aqui no CPT por dez anos, era minha professora de História da Arte e História da Comunicação. Numa das aulas, ela propôs que fizéssemos um exercício sobre discurso aberto e meu grupo resolveu apresentar uma espécie de encenação com os poemas de Fernando Pessoa. Marlene adorou e me perguntou se eu era do teatro. Disse que não e ela quase me obrigou a participar dos encontros de teatro organizados pelo pessoal do Grêmio Acadêmico. Foi aí que tudo começou. Depois, fiz a Faculdade de Belas Artes, em Artes Plásticas. Fui para a Fundação das Artes de São Caetano fazer o profissionalizante em teatro e prestei o CPTzinho, em 1996. Passei nos testes e fui direto para o elenco de Drácula e Outros Vampiros e cá estou até hoje.

Em Lamartine Babo, espetáculo dirigido por você em de 2012, há uma atmosfera nostálgica, ao resgatar a figura e o tempo de um dos grandes gênios de nossa música popular. Como se deu o processo de pesquisa desse espetáculo?
Foi um projeto longo. A primeira proposta de Antunes foi que alguns integrantes do espetáculo A Pedra do Reino se juntassem para a tentativa de criação dessa homenagem ao compositor que ele tanto gostava, onde os atores mergulhariam na pesquisa, escolheriam o repertório e escreveriam a dramaturgia baseados na vida e obra de Lala. Depois de algum tempo, apresentaram o esboço e, então, Antunes resolveu escrever o texto. Baseou-se em Seis Personagens em Busca de um Autor, do Pirandello e concebeu o lugar onde uma banda fanática por Lamartine Babo ensaiava seu repertório e no meio de um desses ensaios aparecia um Senhor muito estranho com sua sobrinha, falando coisas absurdas. Ao terminar o texto, Antunes pediu para que uma atriz do grupo, a Vanessa Bruno, dirigisse e que fizesse testes para o elenco. Eu, inclusive, entrei nesse momento como um dos cantores integrantes da banda. Ensaiei por um tempo, mas fui solicitado para recuperar algumas cenas que havia feito nas edições do projeto Prêt-à-Porter para uma espécie de coletânea e tive que me afastar do processo de Lamartine para me dedicar ao resgate dessas cenas. O Prêt-à-Porter Coletânea entra em cartaz e Vanessa mostra um esboço, Antunes assiste, faz observações e críticas e eles retomam os ensaios, apresentam mais uma vez e então Antunes acha que não está bacana e pede para Eric Lenate dirigir. Algumas tentativas são feitas novamente e o projeto foi engavetado.  Com o bom andamento do Prêt-a-Porter Coletânea, Antunes me chama, então, para dirigir, dizendo: “pega essa sua poesia do Prêt-à-Porter” e vamos fazer uma última tentativa, senão der certo, desistimos. E graças! Ele gostou muito, quando apresentamos. Ficamos sete anos com o projeto. Foi um presente! Entrar em contato com a vida e obra de Lala foi extremante encantador. Um mistura de humor e nostalgia, uma saudade de um Brasil que não mais existia e esse ser quase chapliniano, que caminhava entre a ingenuidade e o sarcasmo, foi maravilhoso. As canções, a parceria com Fernanda Maia, convidada para fazer a direção musical, a entrega do elenco, enfim, tudo muito mágico. A costura da dramaturgia proposta por Antunes com as canções, como encaminhamento emocional do espetáculo, foi o grande achado. E também descobrirmos quem eram os integrantes indicados no texto como banda. Achar esses tipos, criar uma estória para cada um e como cada um chegou para esse grupo, que tinha uma ligação tão forte com o compositor, foi saboroso demais.

Que características considera essenciais para o pleno desenvolvimento do ator? Disciplina, paciência, obstinação e amor, muito amor ao ofício. Ah! Claro muita leitura, boas referências das várias ramificações na arte – cinema, artes plásticas, música, dança, enfim, tudo que possa afinar a sensibilidade e, sem dúvida, técnica. Sem ela, é impossível sair do lugar.

Anatol Rosenfeld afirmou, certa feita, que: “Brecht se empenha, através da mediação estética, pela apreensão crítica da vida e, deste modo, pela ativação política do espectador.” O teatro deve ser uma ferramenta social, para conscientização das massas? E o teatro que não se propõe a questionamentos políticos, interessa a quem?             Nós, aqui no CPT, acreditamos que toda ação no palco será politica, portanto ética. Mas que somente a estética poderá estabelecer o vínculo essencial com a plateia. A poesia tem que andar de braços dados com a política, com a crítica, com a denúncia e essa junção é muito difícil. É uma linha tênue entre estabelecer o questionamento, sem ser panfleto, pois não pode ser jornalismo, tem que ser arte. Por exemplo, em Marguerite elegemos um momento em que toda denúncia é feita através da carta, escrita pela mãe aos corruptos agentes do cadastro na Indochina. E que parece ter sido escrita, hoje, agora.

Em Marguerite Mon Amour temos uma dramaturgia repleta de personagens presentes em várias obras de Marguerite Duras. Pode nos contar um pouco sobre o espetáculo?
Outra longa estória. Lemos absolutamente tudo que conseguimos achar dela e sobre ela, Marguerite Duras, como também assistimos a tudo o que encontramos em cinema (dirigido por ela ou por outros diretores), documentários, teses, peças, enfim, foi um estudo bastante vasto. Passamos depois para improvisações e fomos percebendo o que, de todo esse material estudado, havia reverberado com mais contundência para o grupo. Chegamos, então, aos dois ciclos considerados míticos da obra da escritora: o Ciclo Indochinês, que trata de todo o período que Duras viveu nesse lugar tão radicalmente oposto à Europa, com a família em situação de quase miséria. A história de amor, de paixão e descoberta do desejo com um chinês em sua adolescência, assim como sua impossibilidade. E o Ciclo Indiano, também colocando os brancos europeus se desestruturando em estado de quase loucura, num lugar absolutamente intenso em sua imensidão. O Ganges, a lepra, as doenças e a miséria novamente aterrorizando e convocando o olhar da escritora para esse momento de “perda” de cada personagem. Já que “é disso que se trata, do impossível da vida” ou “da natureza do desejo e seu poder destrutivo”.) Adentrar nesse universo tão biográfico e ficcional, simultaneamente levou a todos a um estado de memória, de mexer com questões da infância, do passado, da família, dos amores e desamores de maneira abismal. Foi muito intenso, mas absolutamente poético. A palavra de Duras é de um poder sensorial e labiríntico imenso. E nessa experiência toda a dramaturgia foi sendo construída e costurada com vários fragmentos, sensações, imagens, objetos, sons, ruídos, músicas, gestos, olhares, respirações que brotaram dessas improvisações e laboratórios nos corpos e na alma dos atores.

O que considera mais difícil ao dirigir um espetáculo teatral?
Encontrar o lugar da peça, sem dúvida, é uma das coisas mais difíceis. Aqui no CPT ouvimos muito Antunes dizer que temos que deixar brotar do interior da dramaturgia o que é necessário para que ela se realize. Não há uma imposição externa, uma vontade somente do diretor ou do ator, mas há algo de essencial que ecoa das brechas do texto. E precisamos estar atentos e sensíveis para captar essa essência.

Você afirmou, certa vez, que o relacionamento profissional com o diretor Antunes Filho é “belo e pavoroso”. Qual a razão?
Por se tratar desse ser absolutamente intenso, rigoroso, sensível, provocador e que te leva a lugares ao mesmo tempo tenebrosos e maravilhosos. Como ele mesmo diz, o teatro é uma arte mineral, tem que cavar fundo. E isso dói, mas o resultado, depois de toda a árdua jornada, é esplendoroso.

O diretor, no seu processo de trabalho, deve ter como meta agradar o seu público ou priorizar seus ideais estéticos?   
Acho que tem que estar com um olho no gato e outro no peixe (rsrsrs). Claro que toda a criação partirá dessa busca estética, do rigor, da precisão, da limpeza, da beleza, da poesia, mas necessariamente tem que comunicar, tem que tocar, questionar, arranhar, acarinhar, enfim, comungar com a plateia.

Eugenio Barba afirmava que “É esta a dialética que caracteriza a relação diretor-atores, atores-diretor, espetáculo-espectadores. Uma relação contínua de traduções e de traições, na qual um parte do ponto em que o outro chegou.”  É por aí mesmo? Esse processo de osmose ou simbiose que acontece entre ator/diretor, ator/personagem, dramaturgia/encenação e posteriormente espetáculo/plateia é alquímico. Entramos nos ensaios como um ser e durante todo o processo somos transmutados em outro ou outros seres. E assim também será por aquele espaço de tempo (que dura uma apresentação) para o espectador. É uma experiência única. Por isso, quem se aproxima dessa arte, dificilmente consegue se afastar, consegue deixar de fazê-la. O passaporte fica carimbado com tantas viagens a lugares mágicos – países, cidades, povos do imaginário.

Novos projetos para 2018?
Por enquanto, cuidar do próximo CPTzinho. Acabamos o processo seletivo recentemente e iniciaremos as aulas em janeiro de 2018. E essa experiência pedagógica que temos aqui no CPT é igualmente transformadora e inspiradora. Aprendemos muito dando aula. Para mim, a pedagogia é tão prazerosa quanto estar em cena, seja atuando ou dirigindo. E também estamos fomentando um possível novo núcleo de dramaturgia, com alguns integrantes de CPTzinhos passados e elenco escrevendo. Ficarei na coordenação desse processo. Espetáculo ainda não. Queremos aproveitar um pouco mais Marguerite, Mon Amour e, quem sabe, voltar com Lamartine Babo e Blanche, esta última dirigida pelo Antunes Filho.

*Angelo Mendes Corrêa é mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP), professor e jornalista. Itamar Santos é mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP), professor, ator e jornalista.