meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                 ENTREVISTA

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Anselmo Vasconcelos: novas perspectivas para o ambiente de trabalho
                                                                        Angelo Mendes Corrêa e Itamar Santos*
Numa abordagem inovadora e pioneira sobre o ambiente de trabalho, o primeiro livro de Anselmo Ferreira Vasconcelos, bacharel em Comunicação Social pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e mestre em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), intitulado Espiritualidade no ambiente de trabalho: dimensões, reflexões e desafios, traz ao leitor lúcida reflexão acadêmica, fruto de mais de uma década de incessantes pesquisas e experiências do autor em importantes organizações corporativas.

O que entende por espiritualidade no ambiente de trabalho?
Como se trata de uma teoria ainda em fase embrionária , não há, portanto, uma definição consensual entre os pesquisadores. De nossa parte, entretanto, entendemos espiritualidade como o processo de movimentação de poderosas forças universais que jazem no íntimo de cada um de nós, em direção ao mundo exterior. No contexto do trabalho, implica externar plenamente todo o arsenal de virtudes e qualidades intelectuais que já possuímos com vistas à construção de experiências mais enriquecedoras e realizadoras para nós e para os que nos cercam ou dependem do nosso esforço.

De onde a ideia de escrever Espiritualidade no ambiente de trabalho?
Não obstante o fato de que sempre me interessei pelo assunto espiritualidade, a ideia de  escrever o livro veio como um desdobramento natural de uma disciplina que fiz nos tempos de mestrado.

Em que o seu livro se diferencia dos títulos de auto-ajuda hoje tão comuns no mercado editorial?
A maioria dos livros de auto-ajuda propõe receitas nem sempre devidamente comprovadas, embora reconheçamos que possuam o seu valor. Optei em oferecer ao leitor, de forma crítica, um mapeamento, um balanço mundial, por meio de ampla revisão literária, sobre as variáveis arroladas como redutos da espiritualidade no trabalho, o peso e o alcance de cada uma delas na vida corporativa, assim como os efeitos supostamente gerados. Alem disso, preferi propor algumas questões críticas e convido o leitor(a) a se posicionar. Cabe esclarecer que entendo espiritualidade como algo que se desenvolve fundamentalmente no interior de cada um de nós, através do exercício permanente de reflexão-ação. Assim, se somos espiritualizados, é natural, portanto, que nossas obras falem por nós.

O que sua pesquisa constatou a respeito da preocupação com o tema espiritualidade dentro das organizações empresariais?
Constatamos que se trata de um assunto que vem ganhando relevância em nível mundial. As empresas precisam se conscientizar de que as pessoas querem fazer parte de projetos construtivos e benéficos à humanidade. As pessoas estão famintas, por assim dizer, por encontrar propósito e significado no trabalho que realizam e de desfrutar de relações positivas com os seus pares e superiores. Mais ainda: elas não querem deixar a sua espiritualidade no portão da empresa.

Pela extensa bibliografia produzida no exterior sobre seu objeto de pesquisa, tudo indica que em nosso país ainda deixamos a espiritualidade no âmbito do trabalho como algo de menor importância                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 
Sem dúvida. No Brasil, o assunto é ainda encarado ou como novidade ou de somenos importância. 

Quais os maiores problemas encontrados nos meios corporativos no tocante à ausência de atenção a seus recursos humanos?
De modo geral, em ambientes organizacionais onde não há atenção e                                                                                                       valorização dos recursos humanos também não há comprometimento por parte das pessoas com as metas da instituição. Em situações mais extremas, o futuro da organização tende a ser ameaçado.   

Como as corporações podem melhorar a qualidade na relação com seus colaboradores?
Monitorando permanentemente o grau de satisfação no trabalho dos funcionários e agindo pontualmente nos pontos críticos. 

Em que o propósito cada vez mais acirrado de competição no ambiente profissional contribui para esvaziar o sentido de espiritualidade nas empresas?
No estágio em que está a humanidade, a competição está presente em praticamente tudo. É possível imaginar que se trate de uma espécie de herança atávica. A busca por espaço e reconhecimento leva à competição, pois outros estão buscando o mesmo e as oportunidades são sempre escassas. Assim, um aluno que busca entrar numa faculdade de ponta, um professor que almeja um emprego melhor, um executivo que busca progredir na carreira, todos enfrentarão competição. Mesmo no ambiente religioso há competição. Afinal, quando se elege, por exemplo, um papa, é notório que há uma certa competição, mesmo que os candidatos principais dela não participem.Mas se ela ocorrer no terreno da ética, penso que estará contribuindo para algo melhor.

Que perdas poderiam ser evitadas se as corporações levassem em conta alguns princípios de espiritualidade?
O fato de levarem em conta algo que transcenda a busca de resultado econômico-financeiro, certamente as ajudariam a erigir, grosso modo, uma imagem mais saudável, o que, convenhamos, é sempre bom para os negócios.

No inventário a que denomina de ações espiritualizadas de algumas empresas, o que mais chamou sua atenção pelos bons resultados colhidos?
De modo geral, a criatividade e o esforço que aquelas organizações estão desenvolvendo para implementar uma gestão mais humanizada.

*Angelo Mendes Corrêa é mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (USP), professor e jornalista. Itamar Santos é mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP), professor, ator e jornalista.