meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                 TEATRO

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

A influência da religião é o mote do premiado espetáculo Mateus, 10, que volta em cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Link para fotos - http://bit.ly/2vf3sx8

O fundamentalismo religioso, a alienação e a fé são questões levantadas no espetáculo Mateus, 10 ao traçar a trajetória de um pastor obcecado pelo texto bíblico que deseja formar uma nova doutrina.

Com dramaturgia de Alexandre Dal Farra, que assina a direção com João Otávio, a montagem do grupo Tablado de Arruar volta em cartaz de 14 agosto a 5 setembro na Oficina Cultural Oswald de Andrade. As sessões acontecem às terças e quartas, às 20h.

O espetáculo foi vencedor do Prêmio Shell 2012 na categoria de Melhor Autor (Alexandre Dal Farra) e indicado à categoria de Melhor Ator (Vitor Vieira), e venceu também o prêmio Cooperativa Paulista de Teatro na categoria Melhor Espetáculo em Espaço Alternativo.

Otávio é um pastor em ascensão que entra em crise com sua atividade, quando se apega de forma quase obsessiva a uma passagem da bíblia em que Jesus renega sua família, mãe e irmãos, em função dos seus seguidores e discípulos. A partir de então, Otávio passa a desenvolver e a pregar uma nova doutrina. O desejo obsessivo de negar o conhecido em função do novo, a qualquer custo, o leva à beira da loucura. Para instaurar uma nova ordem ele precisa de um fato que mude os rumos da sua vida, e é a partir dessa atitude que a trama se desenrola.

“Decidimos retomar essa peça porque percebemos que ela está muito mais atual agora do que na sua época. Embora já fosse importante na época, o espaço político, simbólico, que a igreja evangélica ocupa no país agora é incomparavelmente maior. Também por conta de algo que voltou a nós interessar, que é um teatro talvez ‘pós-performativo’ em um momento de saturação e mercantilização da performatividade, a linguagem de Mateus 10 parece apresentar outras possibilidades de tocar o real”, fala Dal Farra.

Com referências a Bartleby, o Escriturário, de Herman Melville, e Crime e Castigo, de Dostoiévski, a peça levanta questões como a culpa, a alienação e a fé por meio da trajetória de um pastor que leva a sério demais o que ele mesmo prega.

Na montagem, poucos elementos cênicos valorizam a interpretação dos atores e o texto como principais motores da encenação. Os espectadores transitam – como fiéis atrás do mestre – por espaços que simulam a casa do protagonista, a igreja e até um churrasco na vizinhança. 

Sobre o Tablado de Arruar

O Tablado de Arruar é um grupo formado por artistas oriundos da EAD, ECA, UNICAMP, FFLCH e INDAC, fundado em 2001, manteve-se desde o início com o mesmo núcleo de trabalho. Na primeira fase do grupo, voltado sobretudo para o teatro em espaços abertos, o grupo criou e circulou pelo Brasil com as peças A Farsa do Monumento, Movimentos para Atravessar a Rua, A rua é um rio e Helena pede perdão e é esbofeteada. Em um segundo momento, o grupo passa a realizar uma pesquisa e criação de espetáculos para espaços fechados. Nessa fase criou e circulou pelo Brasil e pelo exterior com Quem Vem LáHaut Aus Gold [Pele de Ouro]Mateus, 10, Abnegação 1 e Abnegação 2 e Abnegação 3.

Desde 2009 o grupo vem desenvolvendo uma linguagem própria, aprofundando sua pesquisa em duas: a dramaturgia e o trabalho do ator como elemento principal da encenação. Esses dois eixos fundamentais do grupo tiveram, ambos, o reconhecimento da crítica e do público já desde Mateus, 10 ( vencedor do Prêmio Shell de melhor autor e do prêmio CPT de melhor espetáculo, além da indicação do Prêmio Shell de melhor ator) seguido pelos outros sucessos de público e crítica, as três peças que compõem a Trilogia Abnegação, todas elas indicadas a prêmios e apresentadas em todo o país, além de terem sido editadas e encenadas também no exterior.

O grupo foi contemplado pela Lei Municipal de Fomento ao Teatro por diversas vezes, e já recebeu ou foi indicado a quase todos os prêmios de teatro do país, entre eles: APCA, Aplauso Brasil, Shell, e CPT. Suas peças já participara dos principais festivais do país tais como Festival de Curitiba, FILO, FIT-Rio Preto, Tempo Festival, Trema, etc. Entre 2008 e 2010, o Tablado de Arruar esteve envolvido no projeto Pele de Ouro – Haut aus Gold, uma co-produção Brasil-Alemanha. O processo teve como resultado a peça Pele de Ouro – Haut aus Gold, que estreou em Berlim, em 2009, no Teatro Maxim-Gorki, e depois veio para o São Paulo, onde cumpriu temporada no SESC – Pinheiros, em junho de 2010.

Ficha Técnica:

Texto: Alexandre Dal Farra. Direção: João Otávio e Alexandre Dal Farra. Atores: Alexandra Tavares, André Capuano, Amanda Lyra, Clayton Mariano, Ligia Oliveira e Vitor Vieira. Direção de Arte: Clayton Mariano e Eduardo Climachauska Luz: Davi de Brito. Produção: Palipalan.

Serviço:

MATEUS, 10

De 14 agosto a 05 setembro.

Terças e quartas, às 20h.

Duração: 110 minutos.
Classificação etária: 14 anos.

Ingressos: Grátis - retirar com 1h de antecedência.

OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE. Sala 3 - Rua Três Rios, 363. Bom Retiro. São Paulo. SP. Capacidade: 25 lugares.

Informações para imprensa:

Adriana Balsanelli

Fone: 11 99245 4138

imprensa@adrianabalsanelli.com.br