meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                POR: FLAVIO V AMOREIRA

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística


LEONARDO TONUS,  poesia social

Um poeta de necessário lirismo social: entra para a literatura com um duelo honrando Stendhal.  Sem o fim da História e com premências demasiado humanas ainda mais intensas, a poesia farol do destino coletivo e das vicissitudes do sonho segue antena dos povos como pontificava Pound.  Entrecortado de alto relevos de poderosas metáfora, Leonardo Tonus estréia em seu próprio terreno com uma preciosa reunião de poemas:  ´´Agora vai ser assim´´ com delicada apresentação da ´´Editora Nós´´  de São Paulo.  Tonus é um militante visceral das letras,  grande voz a levar  a literatura brasileira em França e embaixador do melhor que se faz nas escrituras lusoparlantes no Velho Continente.  Formalíssima apresentação para quem fala e faz literaturas de vanguarda, - sim no plural da caleidoscópica produção brasileira em poesia, prosa e ´proesia´,  a nova concepção de gêneros indeterminados ´deleuzianamente´  amalgamados .  Denunciar sem cair no panfletário,  expor sem didatismo , amplificar o sentido de ágora cosmopolita nunca em detrimento da poeticidade.  Leonardo trafega célere e sereno entre experimentação e a referida denúncia social:  não o ´vanguardoso´ experimentalismo, a experimentação calculada  com literalidade sem peias,  um verso audaz, escorreito e não menos densamente comunicacional.  Em meu ofício gozozo de rastreamento do que surge em poesia brasileira me deparo com mais esse esforço de inventividade pelo conteúdo sem descuido da mesma criação sutilmente torneada na forma.  Quem diria na alvorada dum século high-tech  fosse necessário a ingente luta contra novos fascismos?!  Quem poderia supor a desigualdade social se agudizasse planetariamente?   Na nobre esteira de Romain Rolland e Éluard  nosso autor  expõem o câncer da indiferença feito anátema pós-moderno.   Tonus evocatório na medida certa do intertextual cita no contexto de sua amplitude Clarice Lispector, Samuel  Rawet de quem é especialista e a quem o Brasil deve um resgate,  Saint-John Perse que ecoa poeta atlântico que também é e sem nomear percebo forte influência enriquecedora dos russos  Iessênin, Maiakovski e Anna Akhmátova .  Da imensa poeta uso como epígrafe de dois ensaios críticos que elaborei sobre ´´Agora vai ser assim´´ que será lançado dia 21 na Livraria da Vila em Sampa:  ´´Hoje, tenho muito o que fazer
Devo matar a memória até o fim.  Minha alma vai ter de virar pedra.
Terei de reaprender a viver.´´    
Leonardo  Tonus tem como carro-chefe ou ´leitmotiv´ um verso perfeitamente alinhavado : ´´Despedida de pedra´´  que uso como âncora para sondar essa atmosfera lírica que vos revelo:
´´Hoje queimarei todos os meus livros
e meus dicionários .
Pelos becos da cidade
meus ensaios
dilacerados
espalharei.
Enterrarei meus poemas.
Meus pulsos cortarei.
Com minhas unhas
e o bico de meu tinteiro
perfurarei teus olhos ,
catálogos
registros
e romances.

Hoje,
a palavra
reduzida
a pó
sufocará
a indiferença
os ditadores ,
as balas
a fome. ´´
Nessa semana em que um navio errante a deriva percorre dilacerado o Mediterrâneo com simbólico nome ´´Aquarius´´  levando 600 almas exangues,  Leonardo Tonus faz-se bardo providencial e visionário.    ´´Marujo ensinou-me a língua das formigas´´  em outro poema , Tonus tem lastro de um beat  transmoderno com a seriedade de Pasternak e a concisão rutilante de nosso Manoel de Barros.  Leia-mos!