Meiotom - poesia


 

 

HUMBERTO MELO

 

 

 

Oração pelo Poema (fragmento)
 

Alberto da Cunha Melo

 

 XXVI

 

A cem quilômetros por hora,

solto a direção do automóvel,

para escrever alguma coisa

mais urgente que minha vida.

 

Devo portanto utilizar

o vocabulário econômico

do Século: é proibido

amar, fumar, pisar na grama.

 

Mas gostaria que restasse

algum tempo para dizer

no poema as palavras súbitas

de recompensa e remissão.

 

Ó meu Deus, eu quero escrever

a minha vida, não teu Céu.

Eu estou só e enlouquecido

como as ovelhas mais longínquas.

 

Dá pelo menos a esperança

de terminar o doloroso

poema. Dá isso a teu filho,

caído, e coberto de sal.

 

 

No livro Dois Caminhos e uma Oração

A Girafa Editora, 2003

 

Arte e editoração de Cláudia Cordeiro Reis

Plataforma para a Poesia

 Sítio Virtual Pernambucano da Poesia

 Contemporânea em Língua Portuguesa

www.plataforma.paraapoesia.nom.br

Visite nossa livraria virtual. Clique no livro:

   Leia Poesia!

Se não visualizar bem as imagens deste e-mail, clique no endereço abaixo:

  

www.plataforma.paraapoesia.nom.br/albertorafrag.htm