Meiotom - poesia


 

 

MATEUS MINEIRO

 

Soneto Mexido

lamento o Mundo ali,preto,queimando

/panela de pressão pedra e cimento/

do lado esquerdo dela é onde fico/

corpo de tacho alma humana e cana/

aproveito a quentura desta Terra

pr’a cozinhar-me dentro de mim mes-mo(

meus tropeços as minhas correrias

minhas tristezas minhas alegrias

juntar com arroz feijão angu e ovo

temperá-los com dentes de alho e unhas

de esforço.E mexer mexer mexer...

 

depois que’u, outros, morte me comer:

dor de barriga?ou arroto com

                                        cheiro

                                        de vida?

                                        (intensa,

                                          louca

                                          e ardida)

Plástica


o bisturi bifurca a pele.
de outros modos,

1 desbasta,pule,lima...sua matéria-
humana
-prima;
2 desenha dois lábios onde a carne
e garganta
golfando
gordura;
ou ainda
3 é vulva vertendo velhos fetos que
(re)nascem rebolando
posando com bustos e bundas enormes
e rindo risos moderníssimos,de silicone não de argila.
Almeja-se aí...

4Aí que se despreza o corpo
quando no bojo
almeja-se a alma
mais enxuta
         exata
         em forma
          e humana.

 

Coisa Esquisita & Humana que...

derruba uma barreira a soco
                                   para aproximar -se duma peça de pano
aterra um abismo com a pá
                                  para aproximar -se dum byte
não anda,corre quilômetros
                                  para aproximar -se da Tv
a nado atravessa o Tieté
                                  para aproximar -se dum pixel
arranca a cerca de arame com a boca
                                  para aproximar -se da grana
faz o diabo a 0,a 1,a 2,a 3,a 4...
para ficar                perto               perto                         pertinho
disso                      ou                                                daquilo
mas não consegue(e pode)
abrir a cabeça
abrir os ouvidos
abrir a boca
abrir os braços
abrir o peito
abrir a cerveja
abrir o zíper as pernas
para ficar pertopertopertinhodeladinho do outro
                                          ser         AM
igO (R)

 

Matheus José Mineiro de Ponte Nova(1988) Membro Correspondente da Academia Brasileira de Poesia-Casa de Raul de Leoni – Produz o Zine Apologia Poética.