Meiotom - Crônicas


 

Chove Chuva

Antonio oliveira

 

Olho pela janela a chuva caindo no telhado das casas vizinhas, no pensamento uma sensação de vazio de estar muito distante de tudo, na vitrola um velho disco de Chet Baker acompanha o meu tédio e a minha angustia... Sinto que necessito de alguma coisa mas não sei o quê,  talvez um belo filme de Woody Allen pra me distrair e ficar pensando como seria se  estivesse no lugar de um daqueles personagens, naquelas geniais histórias cheias de drama e  paixão, ou talvez um amor de verdade que me fizesse companhia nas horas de solidão.

Uma paixão fulminante, daquelas de não querer sair do lado da pessoa amada, de querer estar perto dela o tempo todo, de ir ao cinema, teatro, a todo lugar, apresentar para o amigo e falar que ela é o que você sempre precisou. Mas com as últimas gotas de chuva essa sensação de vazio, esse sentimento de angústia vai embora e tudo que passou em minha cabeça naquele momento vira uma vaga lembrança em meio a outros pensamentos absurdos.