Meiotom - Contos


 

do descarrego - 20/08/03

carlos Pessoa Rosa

Faz um frio afiado. Não me perguntem o motivo de não estar agasalhado. Começo a acreditar em período crítico também para nós, homens. Gosto do mês de agosto pela cantoria dos pássaros e pelo reflexo de cor prata que banha as montanhas; luz refletindo em preguiçosos restos de névoa. No computador, leio as manchetes dos jornais, assim é que decido se compro ou não o jornal impresso. Na década de sessenta, setenta, sem computador, o povo ficava em pé diante da primeira página do jornal exposto na lateral da banca. A grana sempre foi curta para a maioria, escolhiam com cuidado. O jornal Notícias Populares era o mais concorrido. Intelectuais e jornalistas criticavam a linha editorial. Se apertar sai sangue, diziam. Estranha clareza que o tempo e a idade nos traz. Hoje, não há diferença, todos atingiram o mesmo ideal. Vender a qualquer preço. Quarta-feira, a manchete continua sendo a bunda do Gerald Thomas. Vai preso ou não? O delegado abre ou não um processo? Hipocrisia tupiniquim. Tanta bunda ao vivo, em outdoors... Por que não a do Gerald? Qual o preconceito? Questão de tamanho? Talvez, uso. Branca demais... Fosse ele, processaria a mídia por preconceito. Interessante é ainda não terem entrevistado algum professor-doutor em bundas. Estranho... Muitos já agiram assim. Até o papa já andou presenciando bunda lustrada. Será que digo algum segredo? Não li uma crítica sobre a peça. Jornalismo voyeur ressentido... Uma boa classificação para o jornalismo que nos apresentam.