meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                            

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

POR: Willian Lial

 

Entre a força e o lirismo
http://williamlial.blogspot.com/2010/08/entre-forca-e-o-lirismo.html

 

 
 
 
Com metáforas perfeitamente empregadas, assim como as demais figuras imagéticas que se tornam indispensáveis à compreensão e absorção de cada poema, com o lirismo e o naturalismo convivendo harmonicamente, cada qual adequado ao tema e a necessidade do poeta e da sua voz, com temas atuais, questionando nosso lugar no mundo, o fazer poético, o mundo em sociedade e outros mais, o novo livro do poeta Jorge Elias Neto¹, Rascunhos do absurdo, se mostra bem dosado entre a força e o lirismo das palavras.

 
O novo trabalho do poeta já nos permite vislumbrar o que teremos pela frente, ainda no poema sem título que serve de abertura ao livro, quando nos diz: “Tenho algumas verdades litorâneas./ Dessas que não molham os pés,/ mas se empanturram de areia/ e saem se enterrando ao mínimo sinal/ de proximidade do desconhecido”. Versos com os quais muitos podem se identificar, afinal, quem tem verdades absolutas?!

 
E nessas alfinetadas o livro vai seguindo, página a página, e no caminho encontramos O risco (p. 26), uma espécie de metapoesia que relata os movimentos de um “risco” rebelde que “esperneava ao mínimo/ indício de caligrafia” e “usava a camuflagem/ dos desentendidos” enquanto “serelepe,/ causava seus descaminhos” e “seguia desmoldando intenções”. Um rebelde que “não se deixava / ferrar com palavras” que “criava-se no silêncio” e “optou pela clandestinidade/ ao abandonar o traço”, como a feitura de um poema que não se constrói baseando-se em modelos, formas ou escolas, que foge às regras e se constrói por si só.

 
E a metapoesia também está presente no poema Singular (p. 28). O fazer poético na atitude de um velho poeta que no “derradeiro momento” ao ler seus versos compreende “ter carecido de deslumbramento”, pois “não deixou no leito das páginas/ palavras não ditas;/ nem ao menos rascunhos de alucinações”. “Rascunhos de alucinações”, uma bela figura metafórica que muito pode dizer e nos fazer imaginar.

 
Outras figuras também surgem no decorrer da leitura, como em Ventre vazio (p. 29) que dentre muitos momentos, também ligados ao fazer poético, descrevendo o caudal de emoções da criação literária, encontramos versos como “ao longe,/ seguia o choro ensaiando epílogo” e “o cheiro do cueiro/ fez parir a loucura”. E um pouco mais além, quase todo composto por uma grande imagem poética, temos o poema Polos (p. 34) que começa dizendo: “Meu pai vestia uma pele/ de sonhos amarrotados” e “tardava horas campeando/ pequenos nadas”. Isso faz o leitor, sensível a belas imagens, parar e idealizar circunstâncias, idealizar uma vida inteira que se enquadre nesses versos. E essa é uma das grandes qualidades das belas poesias, o poder de fazer seu leitor viver outro momento, noutro lugar, noutro corpo.

 
Só sei que vou te amar (p.41), “Parte IV”, traz um toque de erotismo ao livro, como se vê logo no início da primeira estrofe: “Começo a perceber/ um certo arrepio/ de santidade/ através da tua camiseta” e “somente o riso,/ na antevéspera/ do teu gozo,/ ou teu mamilo rijo de agora/ – esse futuro e presente –/ horizontalizam meus/ pensamentos”. Uma perfeita escolha de palavras que fazem o leitor se encontrar na cena, uma lascívia poética expressada na voz de alguém dominado pelo desejo.

 
Ainda no mesmo poema, agora na “Parte V” (p. 44), temos palavras fortes com um toque iconoclasta, rebelde, em versos como: “Bebi a cachaça das encruzilhadas;/ Roubei hóstias nas sacristias; o tridente do diabo/ enfiei no rabo da mãe de santo/ e fiz pior:/ encarei no olho do homem!”, os quais depois encerra sentenciando que “o frescor da pureza?/ Não encontrarás na minha pele”; versos que não poderiam ser diferentes para fechar toda a rebeldia do poema.

 
No poema Balada da carne (p.69), o realismo vem em forma de crueza, numa sinceridade naturalista. O personagem do poema sabe bem o que quer, dentro da sua ira seca, quando diz que “Já que à frente sempre estará o horizonte/ não me enterrarei além dos olhos”. E sem delicadeza “ordena” a todos: “já que eu disse sim,/ limitem os convidados/ presentes à minha embriaguez”, feito alguém que parece sentir-se estranho ao meio, deslocado. Não há metonímias, não há gestos brandos ou disfarçados, nem mesmo a si poupa o personagem, pois “já que a rima é farta; e o poeta,/ um estorvo”, segundo afirma, “que se recompense o primeiro idiota/ a me cortar a carne”; um momento machadiano, bem Brás Cubas, quando este dedicou seu livro ao verme que primeiro roeu as frias carnes do seu cadáver².

 
A poesia de Jorge Elias é também bastante visual, fotográfica. Certos versos, estrofes ou mesmo poemas inteiros nos põem diante dos olhos verdadeiros quadros, momentos congelados, parados a nossa frente, como podemos observar nos versos do poema 1º de janeiro de 2008 (p. 74):

 
(...)

 
No vazio do salão amanhecido
Ainda ressoam os ecos dos champanhes,
Os alaridos esperançosos,
Os sussurros de cumplicidade.

 
De sólido,
ficaram os confetes e serpentinas,
que nada entendem da solidão.

 
Há também poemas minúsculos, formados de pouquíssimos versos, mas que dizem muito, como 7 de janeiro de 2008, que com apenas três versos, em duas estrofes, mostra um homem, hoje, pequeno, recomeçando, distante do que já foi um dia: “Recomeço,/ e essa sombra de hoje/ nada diz do homem que fui” (p. 75). Poucas palavras que dizem tudo o que se quer dizer. Não precisamos saber mais nada, já sabemos tudo.

 
Em Querido homem! (p.76), Deus observa sua criação, o homem, e lamenta seu devaneio e seu desdenhar de tudo, e avisa que “para atingir o Sagrado não cabe/ o escambo”; não é com troca de favores com Deus que o homem conseguirá sua salvação. E a relha do Todo Poderoso termina com uma bela imagem Sua, caricaturado de homem, dizendo: “Nesse vai e vem da rede, vejo meus/ pés penderem soltos sobre o desafio/ do amanhecer”. Até podemos ver Deus sentado em algum parapeito, ou quem sabe sobre uma nuvem, balançando a pernas.

 
Na página seguinte, em Poema para o homem contemporâneo, mais uma crítica ao homem e seu tédio, em versos que se confessam políticos, engajados, ao afirmarem ser esse poema a liturgia de um cético que tem como credo “um poema diletante/ que roga à tua carne/ a fratura que os ossos recusaram”, e que “tem uma ambição desmesurada:/ o ressurgimento do homem/ desse tronco de lama”.

 
As metáforas são realmente uma constante no livro. Metáforas fortes, expressivas como as do poema Taramela moral (p. 82), quando diz que “o facho/ desvirginou o segredo da fechadura;/ trouxe a incerteza/ da parcela do corpo”, e que “do outro lado/ as paredes acenam/ por sombras”, e a humanização nos “lençóis com feição de espera”³. As figuras imagéticas aqui dão vida ao inanimado que personificam características humanas.

 
Le Papillon blessé (p. 108), retrata a fragilidade do homem etéreo e a insignificância em que vive como “borboletas que persistem/ suspensas na cor indistinta do tempo”, mas que “sempre restará o marolar das asas,/ cortejando, com seus signos,/ aquele que, no absurdo da vida, se perceber/ só”.

 
E para encerrar, um dos melhores poemas do livro, Céu de bombas (p. 92), que transcrevo aqui por inteiro. Um poema forte, de cunho social, falando de guerra e da sensação de estar no meio de uma. Os grifos que encontrarão no poema são meus, para compartilhar com meu leitor os versos, as metáforas e outras figuras que mais me chamaram a atenção e que mais demonstram a força do poema e de seu poeta, como nos versos metafóricos “flashes de bombas” e “estrelas dos profetas cruzaram os céus”, além da bela ironia na última estrofe. Vamos ao poema:
 

 
Céu de bombas
 
Não interrompam o cotidiano das serpentes.
Elas não buscam no homem seu veneno.

 

 
Por que choras por mim, meu pai?

 
Cumpri com o que me coube
nessa Gaza de feras.

 
Em cada criança morta, sacrificada,
um objetivo insano.

 
Despeço-me do dia
sob flashs e bombas.

 
Uma fome doentia
molhou teu corpo com meu sangue.

 
Estrelas dos profetas cruzaram os céus
e pulverizaram os créditos de
minha infância.

 
A ambição do poder comeu meu destino.
Com a força, roubaram-me o sorriso.

 
Meu pai, nem sei perguntar por quê.
Não tive tempo de me nutrir de ódio.

 
Pensando bem, pai,
que as lágrimas partam.

 
Transpareça a indignação em teu rosto
nas telas indiferente do Mundo.

 
Sobretudo, crê, pai,
crê no triunfo do olhar da tua filha,
fosco de morte,
voltado para esse lindo céu,
reluzente de bombas,
nessa noite de um domingo de fúria.

 
 
Enfim, Rascunhos do absurdo é um livro que impressiona e cativa, dada sua força, já mencionada acima, e sua qualidade de composição. Apesar dos muitos momentos de forte expressividade no uso das palavras e das metáforas, em nenhuma ocasião o autor se excede ou se torna verborrágico, prolixo. Cada figura está em seu devido lugar e cada palavra expressa o que precisa expressar para que o leitor sinta e absorva cada verso.

 

 

 

ELIAS NETO, Jorge. Rascunhos do absurdo. Vitória: Flor&Cultura, 2010. 108 p.
Contatos com o autor (vendas etc.): jeliasneto@gmail.com
Imagem: capa do livro.
__________________________
¹Jorge Elias Neto é médico, poeta e autor do livro Verdes Versos, pela editora Flor&Cultura.
²ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. In: _____. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. v. 1.
³Os grifos são meus.