meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                            

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

POR: OLEG ALMEIDA

 

Afrodite in verso por Paula Cajaty.

Na terceira parte dos célebres Cantos de Bilítis de Pierre Louÿs (1894) há um trecho maravilhoso – o Mar de Kypris. A protagonista, cortesã e poetisa grega Bilítis, vê o sol nascer sobre o mar Mediterrâneo, o mesmo que, segundo um mito bem conhecido, presenciou o advento de Afrodite, e, de repente, fica arrebatada com o vislumbre de “mil lábios pequenos de luz”, sorriso da grande deusa multiplicado pelo constante vaivém das ondas, e evoca um dos nomes sagrados dela: Kypris-que-gosta-de-sorrisos. Exatamente essa impressão – uma intensa luz que ilumina as imagens poéticas por dentro – surge com a leitura de Afrodite in verso, livro de estreia da carioca Paula Cajaty. Uma luz forte que, todavia, não queima a pele nem cega os olhos.

Em sua maioria, as obras de Paula não geram tanto impacto quanto, por exemplo, as da autora brasiliense Cristiane Sobral, ou melhor, seu impacto é outro. Em vez de explodir a realidade com sua furiosa energia de contestação, elas exploram-na sutil e delicadamente. Otimista por vocação, Paula Cajaty deixa as mazelas sociais – pobreza, violência, amoralidade – fora do seu universo ensolarado. “Preciso de um doce / que me dê prazer... / prefiro saborear... / pra esquecer o frio da vida” – confessa na poesia Delicatessen. Esse é seu imperativo estético: seria deveras estranho, se Afrodite, deusa de amor, beleza e harmonia, aparecesse no meio de uma saraivada de balas perdidas e denúncias de corrupção que pululam nas páginas de nossos jornais. É a Atena que caberia, talvez, enfrentá-la!

 “A brevidade é irmã do talento”, disse o famoso escritor russo Anton Tchékhov. Além de luminosos, os versos de Paula Cajaty são concisos, mas isso não quer dizer que a mulher moderna apenas “corre de manhã / corre no almoço e no cair da tarde / corre até parada, na esteira” (Correndo pelo mundo) e, levada pela roda-viva do cotidiano, negligencia o lado poético dele ou, pior ainda, não tem nada a contar sobre a sua vida, seus sonhos, suas angústias e aspirações. Eis a poesia Uma noite, aliás, uma das menores do livro: “Chega a noite / e eu sozinha no quarto / o sereno é meu amante / o escuro me compartilha na cama.” Qual a essência destas quatro linhas que, apesar de sua aparente simplicidade, valem um extenso poema – saudade do amor que foi embora? premonição do amor que está por vir? solidão existencial, insônia crônica, inalcançável felicidade? E que fonte de inspiração as originou: experiências vividas ou conjeturas verossímeis? Pois é... a exuberância do conteúdo ombreia frequentemente a sobriedade da forma. Como se diz, a bom entendedor meia palavra basta, mesmo que se revele nela uma imensidão de causas e consequências.

Todo escritor conhece aquelas inúmeras dificuldades que acompanham, em regra, o início de uma bem-sucedida carreira literária. Precisa-se de muita coragem para superá-las uma por uma, chegando ao sucesso e reconhecimento. “Quando um pássaro quer voar / ele não testa, não / é na marra / tem que acertar / de qualquer jeito / tem que se jogar / de lá de cima... / e pegar o jeito na asa (...) e ele só faz isso / só se joga no vazio / porque precisa voar / quando sente a certeza do voo / dentro de si”, diz Paula na sua poesia Primeiro voo. E esses versos significam que sua fase de aprendizagem poética já terminou, que está na hora de alçar altos voos. Tenho plena certeza de que o novo livro de Paula Cajaty a ser lançado pela mesma editora 7Letras que publicou Afrodite in verso oferecerá aos leitores várias surpresas agradáveis, comprovando assim a maturidade criativa de sua autora.