Meiotom - resenha


 

 

 

Me Enterrem com Minha AR-15 – O Novo Livro de Marcelo Ariel PDF Imprimir E-mail
Por Beatriz Bajo   

“Me ENTERREM coM a MinhA AR 15 (Scherzo – Rajada)”
O fuzil-livro de Marcelo Ariel corroborando com o tráfico de versos

AR-15    A AR-15 é uma carabina criada no início dos anos 50 por Eugene Stoner e fabricada pela Colt. As letras "AR" procedem de ArmaLite, e não de Assault Rifle, como muitos acreditam. É uma versão aperfeiçoada do AR-10, rifle de assalto cuja concepção baseou-se na necessidade de dar maior mobilidade aos soldados nas guerras modernas (pós-Primeira Guerra Mundial). Efeito colateral: hoje esse fuzil semi-automático tem grande aceitação no mercado civil e em guerrilhas pelo mundo afora, tornando-se conhecido nacionalmente devido à sua utilização ilegal pelos bandidos do tráfico de drogas.
    Mar (celo) surge em um beijo azul na maior cidade litorânea de São Paulo. E convive com o escarro industrial no município de Cubatão, território ocupado pelo Homem do Sambaqui há aproximadamente 7.000 anos.  Essas populações seminômades sobreviviam do mangue fazendo trabalhos manuais com peças líticas e orgânicas. Sambaqui vem de um termo hindu “tamba-a-aqui” que significa “monte de conchas”. Eram “lixões”, depósitos de sobras de alimentação – restos de crustáceos, siris, conchas bivalves, moluscos, peixes e pequenos mamíferos. Posteriormente, tornou-se um lugar em que se faziam enterramentos humanos. Devido às intempéries, o sambaqui foi sendo dissolvido na parte superior, iniciando assim o processo de calcificação desses esqueletos em seu núcleo.
    No tempo das fabulações de terras acima, Marcelo Ariel deseja estar com sua AR-15. Carregador de suas mortes que são todas as mortes que cabem num EU dilacerado pela miséria e degenerado pela corrupção sócio-política, pela perversão humana. Pretende encontrar no desfazimento de egos (na arte) o que lhe integraria. Advém de um ambiente em que escola já foi necrotério e crianças nasciam sem cérebro, uma alma que trafica versos em troca de apelos contra a violência.

    Ariel dispara com seu fuzil-livro “Me ENTERREM coM a MinhA AR 15 (Scherzo – Rajada)” - Editora Dulcinéia Catadora, 2007 - os primeiros versos de uma trajetória de arrebatamento lírico, letal ao entendimento do processo poético enquanto acomodação de belas palavras. O que pretende o poeta é atirar sua revolta como que uma tempestade sinfônica de compasso ternário em convite à dança selvagem da poesia que destrona o descaso e a hipocrisia:
 
                                                                1.
                                                                ME ENTERREM COM A MINHA AR 15

                                                                A rajada volta a soar
                                                                como a onda da vida
                                                                Fica frio...É só mais um número-fantasma na área...
                                                                O urubu no esqueleto do leão
                                                                escapando da arena...
                                                                Quem atira é o pseudo-morto, meu irmão...
                                                                Maluco...Acabou a munição...Foda-se continuo atirando...
                                                                Para cima...Beleza...é só isso...a fumaça
                                                                que sai do cano e sobe até as nuvens...
                                                                Exu me guia no vermelho dessa mira
                                                                Laser no meu peito...Tá ligado...na sequência..O coração...explode...
                                                                e estou livre da boca
                                                                que se abre pro mar...
                                                                Quer saber...Morrer não dói...
                                                                primeiro o tempo fica bem devagar...Tipo sonhando...
                                                                Aí vem um clarão...Você vê o Morro por todos os lados...
                                                                E então...


                                                                    CARTA PARA A MORTE

                                                                    Imagino Camões, a vala onde morto estava;
                                                                    O quarto onde encontraram o cadáver de João Antônio;
                                                                    O sapato que Antonin Artaud segurava;
                                                                    No paletó de Garcia Lorca a flor intacta;
                                                                    A cama molhada de suor do último sono de Caio F.;
                                                                    O prato vazio que caiu das mãos de Óssip Mandelstam;
                                                                    Os círculos na água provocados pelo corpo de Paul
                                                                Celan...

                                                                Devo parabenizá-la por estes momentos de uma estilística
                                                                    sempre surpreendente,
                                                                    somente às vezes ofuscada pelos lampejos precários desta
                                                                    luz fraca que caminha nas capas... (pp.7-8)

    A palavra fantasma é uma constante na obra de Marcelo Ariel, que passeia pelos maus trilhados caminhos que desembocam em papéis anônimos de mãos resistentes à amputação. Ariel, que engole o mar, esboça com sua escrita úmida e porosa uma carta à morte, esta que é sempre amparada pela dissimulação contra a chuva do poeta autodidata, que se mune de balas amargas sim, mas que não se furtam de alcançar da boca, o céu. Assim é o espaço povoado pela lírica assombrosa que busca o inabitado trajeto em “No deserto com Paul Bowles”:
 
                                                                [...]
 
                                                                Se a febre retornar
                                                                poderei ver a manhã
                                                                dos Santos
                                                                caminhando dentro da fome?
                                                                Ser o ar na voracidade das últimas florestas?
                                                                Sorver o vinho do silêncio e seus meses e anos dentro do vento?
                                                                E na febre sentir a lenta explosão
                                                                do corpo
                                                                no deserto de dentro... (p.13)


    Seu concerto apocalíptico, em que se encenam estrofes na extensão adequada ao contemporâneo desespero de utilização de máscaras que abafam os medos e ignoram as humilhações humanas entre as doenças corrosivas e tóxicas da sociedade plastificada, tem a medida de todos esses silêncios e canta os odores, as cores, as dores e as páginas jornalísticas atuais que não foram impressas à população, mas que embrulharam suas almas como a dos peixes nas feiras do dia seguinte em que se sobrevive da xepa.

                                                                14.
                                                                BECKETT-CELULAR

                                                                Vida Guerra atirou o recém-nascido do quarto andar e antes que
                                                                aquele boneco do Farnese chegasse ao chão ele explodiu e de
                                                                dentro do recém-nascido saíram celulares com mp3 e
                                                                câmara digital... antes que eles... os celulares tocassem o solo e
                                                                se transformaram em mendigos do futuro formados na PUC,
                                                                USP, UNICAMP, MACKENZIE etc... mendigos e outros fantas-
                                                                mas invisíveis... visíveis por 30 segundos por causa das 9000
                                                                câmeras da Avenida Central (Ex-Avenida Paulista).
                                                                Um dos mendigos com mestrado em física antes de desaparecer
                                                                ouviu o poema dizer:
                                                                — Basta você não ter dinheiro para ser um fantasma invisível
                                                                lendo isto ou
                                                                — Basta você ter muito dinheiro para ser um fantasma vivo
                                                                lendo isto
                                                                — Não há nenhuma indiferença disse o vento de 300 km por
                                                                hora
                                                                — Não nenhuma diferença disse o celular escondido dentro da
                                                                buceta da menina de 17 anos que acabou de entrar no presídio-
                                                                escola para foder sem camisinha com o interno FunK-Show que
                                                                ela conheceu no msn-3.000 do Google-zone
                                                                Ela vai ficar grávida... “Ele vai desligar o celular... O ex-presi-
                                                                dente vai mandar desligar os aparelhos... O presidente vai
                                                                aparecer na tv digital de 11 milhões de canais... O mendigo que
                                                                estava lendo Voltaire vai encontrar outro recém-nascido no
                                                                lixo... O ex-mendigo agora pseudo-terrorista simbólico vai es-
                                                                crever no muro do presídio-escola:
                                                                “Não no Brasil... O Não no Brasil... O Não nunca no Brasil... Sem
                                                                o nunca... Sim jamais no Brasil...
                                                                Nunca no sim... O Brasil no nunca... sempre para o nunca...
                                                                Amém!”
                                                                E aqui onde estamos ‘GANHEI’ foi o que ele disse para o mi-
                                                                nistro antes de cair... antes de cair na poltrona... do corpo do
                                                                presidente saíram vários celulares e todos vibraram enquanto
                                                                ele dormia
                                                                num deles... o fantasma do ex-presidente tentava em vão falar
                                                                com o presidente-fantasma... O ex-mendigo do meio do poema
                                                                segurando o recém-nascido tirado do lixo disse como se rezasse:
                                                                — Seja bem vindo GODOT. (pp.19-20)

    Há sempre uma vida que explode entre/por/a a poética de Ariel. Versos que escorrem de sua arma de guerra — a poesia — contra o embrutecimento humano. O poeta não acredita que sua literatura seja marginal, haja vista que marginalidade, para ele, ocorre em Brasília. Trabalha-se, sim, com um núcleo solvente e solúvel, que se dissipa e transcende no tempo que não tem fim, que se alastra no não-lugar onde mora o silêncio profundo do que é incolor.
    Com mira certeira de estilhaçar as verdades inteiradas, Marcelo Ariel atira aos lados que se enclausuram e a leitura de “ME ENTERREM coM MinhA Ar 15 (Scherzo-Rajada)” é flagrante instante de extraordinário espanto, êxtase frente à apreciação da chuva que cai sobre a aridez dos arcabouços humanos.

 

Marcelo Ariel
Marcelo Ariel
Marcelo Ariel é escritor, publicou no ano passado o livro “ME ENTERREM coM MinhA Ar 15 (Scherzo-Rajada)” pela Dulcinéia Catadora e  “Tratado dos Anjos Afogados” (2008), pela LetraSelvagem (http://www.letraselvagem.com.br/ ). Também é proprietário do sebo itinerante “O Invisível”, em Cubatão. Mantém os blogues “Teatro Fantasma”: http://teatrofantasma.blogspot.com/ , “Ou o Pensamento Contínuo”: http://ouopensamentocontinuo.blogspot.com/ e “O Livro Sem Saída”: http://rimbaudar.wordpress.com/. Além de escrever para uma coluna na revista eletrônica “Critério” (http://www.revista.criterio.nom.br/ ).