Meiotom - resenhas


 

 

TÂNIA DU BOIS

COMO O AVULSO DAS LUZES DO SOL

por Tânia Du Bois

 

          Partindo do trajeto com Helena Kolody:

                                                               

                                                                                     “No poema

                                          e nas nuvens

                                          cada qual descobre

                                          o que deseja ver.”

 

          Partindo em cores: o poeta e crítico literário de raridades, Márcio Almeida, em “O lugar dos sem lugar na poesia”, aponta alguns riscos que contribuem para o leitor não alcançar o objetivo do prazer na leitura, como: (1) dificuldade de leitura, apresentada como um empecilho à teoria literária; (2) bagagem necessária à leitura, não permitindo ao leitor optar por textos ou até mesmo assimilar; (3) não consegue ter acesso ao texto, a palavra, por causa do seu histórico social.”

           Partindo em cores: ter alguma coisa que nos agrade, nos dê bem-estar. Devemos procurar assuntos do nosso interesse, o que estiver ao nosso alcance para melhorar a qualidade de vida, assegurando certo prazer em nossas vidas.

          Precisamos nos dedicar à leitura para transformarmos as informações em conhecimento. Ler preenche a vida com prazer e boas sensações, todos os dias, o ano todo. Como lembra Miguel Sanches Neto, “a leitura descompromissada ainda precisa de um grande impulso.”

Partindo em sete cores: o brasileiro não tem acesso à educação para saber valorizar a cultura; somos um país pobre em termos de educação, portanto, não há como melhorar o nível de leitura; há muito tempo a forma de ensinar a ler está sendo desestimulante; as escolas trabalham muito pouco a leitura; o objetivo das editoras é apenas vender os livros; nossas bibliotecas são “vazias” e defasadas; no Brasil não há tradição de literatura de entretenimento. Segundo Lucchesi, “os livros ainda são vistos como algo chato e não como algo que permite uma nova visão do mundo...”.

          A arte de ler traduz em imagens, idéias e cores. Essa prática tem por missão formar cidadãos socialmente capazes de transformar informação em conhecimento, como o avesso das luzes do Sol.

          Chegando ao Trajeto de Pedro Du Bois:

 

                                                     “Aprendi em leituras avulsas

                                                      sobre o desdizer das notícias

                                                      sobre o sabor inconsentido

                                                      sobre a ajuda renegada

                                                      sobre as dozes leis descumpridas

                                                      sobre o tempo mentido como eternidade

                                                            

                                                               aviltei ao desconhecimento

                                                               o esforço decorrente

                                                               da maneira cruel

                                                               dos esquecimentos.”