Meiotom - resenhas


 

o  

   

A paixão segundo Beatriz Bajo

Uma da características mais visíveis da poética de Beatriz Bajo é que ela transcende a busca de uma voz feminina e até abdica disso em nome de algo maior e mais honesto. Em nome do partido da palavra como exploração de uma vasto espectro de sensações, que respiram dentro da dimensão do corpo , e não apenas do corpo feminino, mas do corpo como um símbolo como podemos notar nesse fragmento do poema , Uma árvore pousa em meus olhos: " Uma árvore pousa em meus olhos, no tempo em que uma princesa dobra a esquina e é sempre essa atrevida folha que cai entre a brisa e o breu quando o vento descortina a pele." ou nesse outro fragmento de outro poema : " cada beijo é como comer borboletas/para que as matizes de dentro se libertem, se debatam/no assanhar das asas/entre predicados que traquinam no diafragma.." Aqui estamos no terreno onde o vapor da linguagem é decantado em um lirismo imagético que não se opõe ao mapeamento de sensações que estão no limite do "dizer". É como se o " método"  levado ao sutil paroxismo de Pessoa/Álvaro de Campos  com a  interioridade do corpo brutalmente revirada para a exterioridade do mundo, para um "fora sem limites", se encontrasse com a explosão do diamante da potencialidade do sentir clariceano
O poema de B.B. está em confronto com os limites do "dizer", limites mediados pela delicadíssima tensão entre a imagem e a palavra, nesse
lugar-limite da expressão onde o ato de beijar se funde com a imagem do vôo de borboletas neste campo onde a exterioridade do corpo, em uma inversão do "método" de Pessoa/Álvaro de Campos, é limitada pela interioridade do mundo, em uma apropriação da perigosa ourivesaria clariceana, como uma chave que equilibra tensões incanceláveis entre o ser e o não-ser  ou seja a natureza. E isso é em essência o maior raio de força da poética de B.B., o tensionamento através de uma imagética surpreendente , entre aquilo que Bataille chmava de "erotismo" e a lapidação até a quase dissolução de um eu lírico, que para além das vozes do corpo e do mundo, não teme desaparecer dentro do ato de dizer algo maior do que sua própria paixão , que no sentido metafísico do termo é algo que não teme desaparecer naquilo que ama.

Marcelo Ariel