Meiotom - resenhas


 

o

TÂNIA DU BOIS

LIVRO: LUZES DE OURO PRETO

por Tânia Du Bois

 

          Visitando um Sebo em Florianópolis, encontrei o livro Luzes de Ouro Preto (uma raridade, sem ano de edição), que foi projeto da Associação Cultural Avelino A. Vieira, com o objetivo de homenagear Minas Gerais e retratar "o brilho e a luz de uma cidade iluminada", com espírito natalino.

          No livro são encontradas imagens que, iluminadas por artistas de sensibilidade, espelham Ouro Preto nas artes. Artistas esses que transformaram palavras e emoções através dos seus trabalhos. São eles: Carlos Bracher, Fani Bracher, Jorge dos Anjos, Fernando Lucchesi, Gê Fortes, Annamélia, Guilherme Mansur, Eduardo Trópia, Milton Trópia e Carlos Scliar. Poetas que fizeram da palavra, arte e memória, revelando as suas verdades.

          O livro é um encanto, uma luz. Como diz Orides Fontela, em teia: "A luz está em nós: iluminamos".

          Entre tantos, cito Carlos Bracher, por admiração; pintor que obteve o "Prêmio de Viagem ao Estrangeiro".

          Todos os artistas, de certa forma, são considerados estrangeiros dentro da cultura; pois não são lembrados como deveriam ser: "poetas das artes".

           Pedro  Du Bois, em seu poema, mostra-nos o estrangeiro:

 

                                               "Resta a paisagem

                                               onde os olhos distraem os sentidos:

                                               o viajante pontua a passagem

                                               em imagens.

                                               ...

                                               Resta o que vê de paisagem

                                              nua e inquieta dos ventos:

                                                        rotula o esboço

                                                        e o transforma

                                                        no desenho virtual

                                                        do século aprazado

 

                                              sobreposta, a paisagem incorpora

                                              suas marcas..."

  

          Pintar e poetizar é a melhor parte a ser visto e vivido. É o que de melhor o mundo considerado dos estrangeiros nos oferece.

          E nas palavras do poeta Cléber Teixeira, "um livro só ganha vida própria após transitar por um sebo".