meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                            RONIE VON ROSA MARTINS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

                                 

 

CONFLITOS

Dois. Homens. Um. Barba grande, rosto vermelho. Nariz também. Olhos brilhantes. O outro magro. Rosto comprido e pelado. Pouco cabelo. Dentes trincados. No ar as ofensas. Um olho dentro do outro. Cruzamentos de ódio. Movimentos ao redor. Estudo do corpo. Dança. O momento do soco. A mão. Punho serrado e duro. O lábio em explosão. Sangue. Gotas na camiseta. Na boca. Novamente o punho. Baixo. A barriga. Um urro. O salto e o abraço. No chão os corpos. Rolo compressor de carne. Braços e pernas sem corpo. Invenção do  movimento na fúria.
Na rua a observação silenciosa do cão. O cheiro do sangue nas narinas, a tensão da luta no movimento arisco do animal. O espectador.
As palavras terríveis. Projéteis mortais. Cusparradas de verbo. Setas envenenadas. E o joelho em movimento simétrico. E o queixo. E a dor. E a tontura. A barba e o sangue. A cabeçada. Os dentes fora da boca. Mais sangue. Mais dor.
O animal e sua distância. O tombo. O chute. O pé no ar. A luz e a escuridão. A luz…a escuridão. O corpo. O giro para a esquerda. A perna presa, o outro tombo. Mais socos.
Já não um rosto. Só a dor e carne. Em exposição. A vergonha. O insulto. A honra.
O cansaço e sua soberania. O ofegar além do corpo. O tropeçar em si mesmo. A oscilação da perna. O outro. O corpo em teimosia. Erguido. Braços para a luta. Punhos cerrados. Meio termo? Não.
Primeiro o grito, depois a mulher. Lágrimas abundantes. O afogar do arrependimento e da vergonha. O descuido. A mão feroz no rosto, o murro animalesco. A agressão final.
O abandono do corpo. O silêncio. O surdo som do corpo em último tombo. A distância do outro. Passos… tempo. O corpo e a ausência. A rua.
Os beijos carinhosos. Os sussurros  e lamúrias. Desculpas imploradas, corpo embalado. Canção de amor. Palavras afogadas na dor.
Uma sirene e a ambulância. Curiosos. Perguntas. Motivos. Explicações.
Amores, traições, vingança, dívidas, bebida, jogo…
Só a rua agora… E o cão.