Meiotom - poesia


   

samuel costa

 

Da serie amor em vermelho: Epifania abstrata

Para o jornalista Luiz Gonzaga Mattos

O palco é o habitat
Dos artistas
***
Ah as luzes
As luzes da ribalta
A ciclorama
Os aplausos
Os gritos
Os vivas efusivos
E a saudação curvilíneo
Dos artistas ao público
Que pede estridente
Um bis
Ao ver descerrar a cortina 
***
Eu?
Eu fico na porta de entra
Uniformizado estático
A espera por tudo que não vem 
***
O palco é o habitat natural
De todos os artistas
O microfone
Os alto-falantes
E voz estridente
Que retumba para o além
Da infinitude cósmica
***
  Eu?
Eu esqueço o texto
***
Eu?
Eu destoa de tudo
E de todos
Com a voz embargada
Olhando para a público sentado
Que espera e espera
Por aquilo que não vem
E que nunca virá
***
Eu?
Sou eu tentando ser maior
Que a censura cibernética
Facebookiana
E não consigo
***
Eu?
Eu admiro extasiado
A artista no palco
A minha vaporosa negra musa
Distante de tudo
E de todos
***
Eu?
Eu tomo a pena
E o mata-borrão
A hialina folha em branco
***
Eu?
Tento compor um poema
Com poesia abstrata
E não consigo
***
Eu?
Eu martelo o teclado
Com fúria titânica
Tento compor uma prosa simbolista
E não consigo
***
Eu?
Tento me exilar
Na arte absoluta
 E não consigo
***
Eu?
Tento esquecer de mim mesmo
Mas não consigo 
Samuel da Costa é poeta em Itajaí SC