Meiotom - poesia


 

luis seguilha

   AS PARTIDAS COMPENDIOSAS DAS CRATERAS AZUIS  DESTRONAM AS GENGIVAS PRECURSORAS DAS CLIVAGENS SOLARES

 

 

                As partidas compendiosas das crateras azuis destronam as gengivas precursoras das clivagens solares

                                   onde os remadores insondáveis censuram a culminância da certificação dos cais

             (____________A inculpabilidade sempiterna das asas atravessa o sacrifício articulável do bosque de água

                                               onde as auscultações encorajadoras do relâmpago derivam das artilharias primitivas

                                arrebatando ulteriormente

                                                        os promontórios das tonalidades navegáveis derivadas da procissão colérica dos cavalos

                    que regressam diametralmente do interior escarpado da cidade_______________)

 

                                       (_______________ Os lugares ávidos de arribação trabalham as inconfidências crepusculares na resistência frutificada do dilúvio

                                                               para restituírem o sonambulismo das centelhas ao engenho biográfico dos rostos   

                                                  aqui os átomos incisores dos lábios abastecem os clarões das guilhotinas embutidas nos bamboleios fecundos do intocável livro 

                                                                   este reclamado livro sonhadoramente rejuvenescido nas escoras momentâneas dos desvairados ombros

                             aqui as entoações reconciliadas das hélices evocam os coros frescos da flor vermelha 

                    porque somos as entradas arreganhadas da permanente alcateia 

                                                   que entrança as pausas do desassombramento nas vitoriosas abóbadas das serpentes_______________________________)

 

 

        O dorso lúdico da natureza desposa a iminência cristalina dos imponentes alvéolos no estonteamento dos cargueiros nocturnos

                                                              onde o regresso eterno dos azulejos é murmurado pelas gravuras setentrionais originárias dos trincos servidores do sol

A espiral aquática dos seios é reconciliada na hombridade eléctrica das bocas

                                                      como um colar de musgo a deslocar-se anonimamente nas cercanias pegajosas de luz

                                    (___________________Os malmequeres purificados do cosmos aconchegam-se sobre a afrodisíaca germinação dos hangares instantâneos

                             para homenagearem os coros das intersecções das cimalhas

                                                                                        onde os cadafalsos das locuções restabelecem os pássaros encolerizados da pélvis

                             e a bússola anestésica exala o círculo provocador da derradeira águia  

                                                      como um solo de sílabas relampagueantes 

                                                                    num auge de ensinamentos mediterrâneos____________)

 

                   O órgão do lamento é despovoador numa embocadura de sargaços confluentes e os séculos das frestas náuticas aquilatam as máquinas do nevoeiro

                                                                  para reconhecerem  a influência da claridade no conseguimento distinto dos cardumes

                    e a cissura inspiradora das casas sacrifica-se

                                                            sobre a distracção humílima dos pássaros embutidos no alarido nocturno do sombreirinho-dos-telhados

 

O instinto dos satélites estabiliza-se no desembaraço primordial da cidade

                                     como o andamento da lustração dos frutos subterrâneos     

                                         onde os andarilhos dulcificados consertam as origens astrológicas das abelheiras

                                   aqui um relâmpago inominável comove-se na confidência dos minerais das mãos

                                        estas câmara de tochas fiando as lendas dos países

                                        estas polinizações cismadoras na face rapidíssima dos mastros camuflam os delineamentos das cernelhas imaturas

                                              porque são humildemente instantâneas ao circunstanciarem as antologias das gramalheiras

                                                     estes indícios fecundos incandescem as estrangulações dos acampamentos quase transparentes

                                        como se aniquilassem os vários brindes do aluamento

                onde as lâminas das aves seguram as escaleiras ilusionistas

                                para absorverem as concertinas da jovialidade das épocas

 

 

(_________________A escadaria inoxidável está circundada

                                                          pelas vegetações grávidas de fonemas sazonados como o sonâmbulo violinista a peregrinar nas margens melíferas das estações 

             este esboço rolante palpita nas profundidades ancestrais das fogueiras  

                                                                       apenas são búzios desabrochados a despedaçarem as forragens das salamandras marinhas

                            para fecundarem a atordoamento completo do abdómen solar____________)

 

O marfim dos alvos atravessa a lembrança majestosa dos poentes-suicidas  

                                                               como uma projecção de interruptores das colinas sobre os mensageiros dos líquenes dos animais

                                                                                         modulando imperceptivelmente a milenar batedura dos olhares sonhadores

                               aqui o pórtico nítido das cisternas envolve as fantasias da Cassiopeia  onde as abóbadas das cerejas parecem uma bebedeira de faróis inclinada nas cidades dos bálsamos

                      (______________ as centelhas graníticas são doces e costumadas 

      como indomáveis violas a desmancharem os fungos das cúpulas das fainas___________)

 

As vigas de resina espelham o século dos ofícios

                                                        como circos episódicos do fogo a desentorpecerem os primeiros corredores das habitações dos malmequeres

                      onde uma ave-submarina estende as núpcias da guerrilha

                                                         para revelar o quartzo do veador de fábulas

As navegações lavram os dialectos lunares

                                            para concluírem a argila da canção consumada interiormente pelos utensílios dos cavalos fascinados

                                         onde a conivência solar tacteia os alicerces cíclicos da lucidez como um aguilhão minado

                                          pelos descobridores dos anteparos fotográficos

                                           pelas bandeiras vorazes das gargantas

Esta configuração de bisontes sussurrados menstrua a ferocidade das janelas     

                              como as mandíbulas silvestres a inventarem os andamentos dos cios tempestuosos na simplicidade dos holofotes

                              como a unidade do melódico crepúsculo

                                                                                    trepando fulminantemente no secreto recolhimento da ossada do alabastro

 

                                           (_____________  É a pureza dos líquidos das pronunciações      

                            onde os ramos ofegantes escolhem o abrasamento característico dos pontos cardeais

                   apaziguando a intimidade transportadora dos crepúsculos das abegoarias

                        e o granizo redemoinha na desobediência das pétalas

                                                                              para genuflectir na cepeira incendiária que circunflua no coração dos lenhadores_____________)

 

                                            A sabedoria dos mergulhadores desentranha o malignidade avançada das estrelas

                    dissipando as faíscas das silhuetas dos pomares lunáticos 

                                                                     onde a cegueira das naus é uma salamandra de armaduras e de correntezas albergando as extremidades milenares das ruminações solares

            para imprimir a estridência dos respiros dos golpes universais