Meiotom - poesia


 

luis seguilha

               TATUAGEM VOCÁLICA DE GAIA-ANA MARIA RAMIRO

 

 

 

DESEJOS DE GAIA-um CORPO amplo de acenos balsâmicos e de criptas inebriantes levitando os cântaros-do-escorpião-vegetal-espiralado

                                                                                     como uma esgrimista de epifanias a abeberar-se nos sinais-das-açucenas anárquicas

                          para perambular nos ancoradouros-do-corpo-outro-planetário/aberto

                           às colheitas-raridade-dos-acostamentos

                           às AMBIVALÊNCIAS predestinadas ao astronómico fruto

                           ao conhecimento criativo da vergôntea-erótica-obsidiada-nómada

 

                                               ______: GAIA-ANA MARIA RAMIRO:_____

 

_____ centro de metáforas/correspondências-translúcidas instituais:

_____símbolo ancestral a raptar os periplos vermelhos na plenitude animal-canavial:

_____hélice de volúpias-infinitas a regressar ao original corpo:

_____corpo enunciador do enigma da barbatana/pirâmide-tangível-da-natureza:

_____silêncio da tempestade solar

                             entre a voltagem do desejo e a infinita respiração/nutrição

                                                                                                         da epiderme primitiva:

_____renascimento circular até à focalização-convulsão dos frutos inextinguíveis

                                                                                                    de GAIA-DESEJO-ANA:

_____corpo redescoberto nos ecos unidos-arrebatadores das palavras ( GAIA-montanha de reverberaçãões-jaguar-condor

                                                   na mediterrânica claridade das interferências

                           de outro corpo-leitor–intraduzível-corsário

                                         onde a obscuridade-ardente

                                                        ilimita-se no soalho da identidade-do-desejo-livre

 

ANA MARIA RAMIRO aproxima-se do derribamento avassalador do arco-celeste

                                                                     para descamisar as bátegas do areal-fortaleza ______  os pássaros vociferantes de GAIA

                                atravessam a descoberta da fogueira  cavernosa

                                                  onde uma armadura/canoa de ânsias-palavras coincidem com as bamboleios dos uivos-refúgios incisores

                                                                    das circunferências ofegantes( SEIXOS)

                     e o silêncio litóreo é um jardim de abóbadas-sede nas protecções de GAIA

 

_____ANA MARIA RAMIRO pulsa nas sinuosidades das aberturas dos ecos-das-bibliotecas-náutilas onde os corações fosfóricos extraviam os microfones das retinas-museus-da-fragmentação. 

                        Sente os gérmenes do poema na batida dos carregadores-de-mares:

                                ___ cerca de sal nas maconhas das âncoras

                                                           nas compactas-turfas das constelações:

                                          __  correntezas/percussões das sombras-dos-cerejais:___ painéis vibradores dos balseiros extemporâneos

                                                                              onde os estames-teias-cápsulas-caninas desfraldam as metrópoles-hoteis-das-medusas

                                            sobre os jorros diluvianos-dos-cascos-solares:

                                                       __ pressentimento da ANA-bosque de descendências descampadas/furtivas e ameaçadoras no decurso do insulamento vermelho .

 

Este contorno das labaredas-navio-de-fibras-sanguíneas

                                                                     aspira o desassossegado do cosmos de GAIA

para espargir as inflorescências vulcânicas do tempo

                                                                 concebendo as bolhas pétreas da assombração 

                                                          entre os alinhos das gargantas-das-torres-abrasadas (___hausto gigantesco da harpa impenetrável___)

 

ANA-GAIA na área aventurosa do poema

                                                                 como uma moradora dos rumores explosivos transfigurarando os palácios-monólitos das abelhas inadiáveis

                                                        numa denúncia de incertezas sedosas

                                                                      como a afabilidade-sequencial do relâmpago a demorar-se nas pálpebras do líquenes

                      para penetrar na alcaçaria-dos-colos-fluviais( geometria das espécies a aboletar-se na valva do clarão oblíquo)

 

 Garatujar GAIA nos confins das pedrarias rudimentares/incompreensíveis

                           como uma disposição duradoura a alçar as derivações lentas das raízes: 

                                         _____pertence às ramas dos eirados da respiração das estrelas 

                                         ______pertence à embriaguez das cordilheiras-frugíferas

                                                                                                   aos pólens das abegoarias onde as bicicletas nupciais recolhem a unções dos insectos-de-pólvora:

                                                         aqui ANA-GAIA-SÂNDALO  alberga a densidade das carumas das visões porvindouras

                                                             desabotoando consequências espessas nos cristais do sopro das lâmpadas-de-água

                                                   onde GAIA arremessa as olências

                                                                         das suas rosas-nervura-da-absorção-fálica numa trilha de pupilas-pátrias-fábulas-ressonâncias caudalosas

 

 

____________:GAIA-transluzente no fulgor da urgência da lubricidade:______

                          ___estes extremos limites das lâmpadas-vertigem da Ana Maria Ramiro manifestam o viço incontestável da vida(irradiação oculta-granítica da derme extasiada)

                                                                sobre um barco de árvores minúsculas

                    que eclode amorosamente com os animais de luzes-consonantes

                          ____estes golfos da permutação dos músculos transgressores-indizíveis movimentam os significados intermináveis da terra   

                                                        derramando as ervas da consciência nas profundezas da bússola epidérmica:

                                    ______bússola de poemas e de ilhargas inabolíveis metamorfoseando as cumplicidades afectivas/abismadas

                                                                                entre o oásis de favos-de GAIA-ANA: _____sismo-orquídea do corpo excêntrico a reunir as integridades da folhagem

como uma propagação de caminhos-de-aragem-clandestina

como a água pulsante das faíscas da fuga astral :

                                                 (____aliança do barro efervescente a inventar as vertentes das minas sussurrantes

                                    sobre os membros libertadores da atmosfera nua:

_____será o começo dos interstícios das dunas na luminosidade das têmporas do UNO   

                ou será a declaração-construção do vivente-da-mineralogia hiemal

                                                    que principia no afago-mastro do corpo-sobre-o-corpo:

                                                   _____diamante a gritar nas nervuras das miragens cósmicas: ____deflagração da eternidade da superfície___)

 

                                       (____ TERRA-diva confidente dos círculos da sede aprisionada nas crateras alucinadas

                                                  esplendor do sexo-lábio-GAIA-DESEJO reencontrado no arrepio-da-estaca-do-mercúrio-das-instâncias-indefiniveis-do-bosque:

                                                              relâmpago-latejo das cúpulas dos gérmens

                                                  a ajustar os sulcos das letras-filhas-da-ambição-de GAIA para purpurearem as gargantas-línguas-cernelhas unânimes

                                                                                            entre as canelas das fundações

                               dos ancoradouros-murmúrios-feridas-faixas das veias selváticas___)

 

GAIA-DESEJO nas alucinantes mutações das coxas absorvidas:

                                      no ventre-mênstruo inacabado das palavras

                                           na essência ardente das alcançaduras

                                              no circuito-configuração de pulsos loucos

                                                 nas pernas-pólens-tentáculos-das-lenhadoras de centros

 

 

ANA MARIA RAMIRO embarca-nos na ignição da tipografia do mar(prodígio do útero-escafandro-predador do tecido-húmus:

                                                         as cisternas/cerâmicas da alvura-em-ascensão purificam as migrações das vértebras-curvas

             da lactescência estelar-vulcaniforme-vaginiforme 

                                                      para enflorescerem no desvairamento( das cânulas )

                                                                 das emboscadas/inundações-do-pássaro-GAIA

 

GAIA-caminheira-esvoaçante-lendária-epidérmica

                                           a descruzar os trópicos-projectores das escrituras geográficas e os venenosos esconderijos das garras-caranguejos-iridiscentes atravessam

                                                                                      as gôndolas esguichadas dos seios

                      como um formigueiro-estertor na geografia subterrânea das iluminuras

                      como hélices-dos-tinteiros a fertilizarem as tapeçarias-dos-bichos

                                       das sementeiras até ao sangue dos utensílios das raízes-cometas

                       como trajectórias nativas das gelosias a auscultarem

                                                                             os cios pendulares dos tigres inaugurais:

                                               _____ou serão os vespeiros-águias a articularem as fêmeas dos cavalos vertiginosos aos gladiadores cromáticos

                                                                      de GAIA-meridiano da batida das actínias

 

____GAIA-uivo dos seios-lábios-boomerangues-dos-cereais crepitantes:

                                          _____ANA MARIA RAMIRO sorve a entoação dos enxames das vulvas espasmódicas

                               entre os milenares bagos-subsolos-sígnicos transmudados nas ciladas fleumáticas das cissuras dos minérios:

                                      ___ a geologia das mandíbulas orbitais iodam sensorialmente as aterragens das ameixas-ervateiras-do-DESEJO:

                                                           _______  polvos de remos-uterinos

                                                                                a “ESCREVEREM COM O CORPO” para empinarem/desembocarem

                   as arestas-(estremecimento)-das rosas labirínticas/emancipadas

                            sobre as improvisações narcóticas

                                                                    das arenas-línguas-estações-da-raiz-de-cobra  _______“SINESTESIA a resvalar” nos guardadores das setas-sementes-fluviáteis

                                                                                                                   de ANA-GAIA:

______MANIFESTO DESEJO a acrescentar as medulas-vagas das deambulações

                                                                   aos confessionários lunares-desvairados (dos vimes umbilicais das dálias):

                                                ____ atravessamento do centro da penugem arterial:

                                                                       ____escoltas dos estilhaços das translações a enfeitiçarem as dinâmicas polpas das forquilhas-silenciadoras-dos-simulacros-lenhosos-das-cavilhas-mamilares-do-desassombro:

______  searas-barbatanas sísmicas a renovarem

                            as bandarilhas da cicatrização/faísca das papoilas túrgidas

                                                  onde os reflexos da circunvalação dos ofícios pulverizam os rebordos das rosáceas vulcânicas

                                                           com os feixes insondáveis dos umbigos  botânicos:

 

_____  arquipélago-de-aberturas odoríficas a intervalar

                                                   as modulações das veias dinamitadas

                                                                    com as tonturas das cúpulas do réptil-acústico

 

ANA MARIA RAMIRO embalsa o movimento das cordas das distâncias e o materno-farol do desvio dos abismos

                                                               onde as escrituras das fendas-dos-viajantes entregam-se aos cortejos das estâncias. Os nervos periódicos dos luzeiros perseguem as virilhas das superfícies astrais e empoeiram

                                                                  secretamente a natureza dos lábios-orquídeas: ___as pássaras da terra alucinam os aluamentos órfãos de arborizações

       onde as efígies das janelas-voadoras parecem peixes incrustados no vazio:

                                                             ___outra janela-de-terra na integridade das coxas a enredarem balanceios e reflexos túmidos

                         para galoparem a universalidade da violência da flutuação-do-horizonte:

___ outras pegadas-filamentos na flor-náufrago

                                                             a fundar a ourivesaria de um sexo-ânfora-guitarra para construir um abanador de aguardente-zigoto-hipnótico

                   na língua-da-língua-sobre-a-lingua:

                                                            apuro da estridência-da-lagoa-do-polvo-pirilampo: ___flecha-memória da GAIA na propagação esponjosa

                                na desopressão dos estremecimentos

                           nos silabários dos barcos-amplexos-da-serpente-pupila-das nascentes:

___ tudo a desabrolhar na encruzilhada dos olhos sonâmbulos/incandescentes:

                                                                      ____SÍNCOPE das luminárias nos cursores do subsolo-do-fruto-leito-seira-da-pulsação-do-sémen:

          ____ a serrania é uma árvore universal que deriva dos abalos de GAIA

 

 

____GÊNESE-OFÉLIA RELOADED  soldaduras-de-guelras-ascendentes

                    estremecem os detonadores do aguaceiro felídeo:

                                         ____ vivacidade uníssona nas  traqueias das aranhas acrobatas onde as geleias pesquisadoras de iguanas-montanhistas

                                                               defrontam a tripulação-dos-uivos das trincheiras como as alcateias semiesféricas-das-vaginas-petrológicas a hibernarem

                                                                                            na guerreira herança de GAIA:

 ______ prodigiosa batedora das origens da toutinegra/magnólia:

 ______ diafragmas de espelhos circulatórios nas gadanhas dos bolbos:

 ______ titilações das válvulas-miradouros-de-teatros-morangueiros a ondularem

                                                            como esmeris transmissores de flâmulas convulsas entre a mutabilidade dos alvéolos das cachoeiras-cercaduras-das-cobras  e o culto do aluvião

 

TAUROMAQUIA instantânea dos hortos mondadores de partituras:

______  flexibilidade das safiras-cumeeiras-de-cerejas entre os rasgos do cio e os buris das embocaduras:

______os cutelos carnívoros evadem-se da drenagem das bocas-exílios até ao sopro inimitável das rebentações:
______  as talhadeiras-nadadoras oscilam febrilmente nas manchas dos óvulos engolfados nas pigmentações incendiárias-de-GAIA:
_____ rítmica revelação dos trilhos-hífens dos cortiços indomáveis:
_____ bruxuleantes bordos onomatopaicos reabilitados na alvenaria-ravina do fogo

 

FÊNIX percepção centenária das uvas-rilhadas

                                                        onde os núcleos das transições/escavações estimulam minuciosamente as navalhas das hospedeiras:

_______  guarnições-teoremas-xistos na baba naufraga dos átomos-tambores

                                                         aqui os ecos das framboesas alienígenas engenham os flancos chamejantes/suicidas das clarabóias

                         para rebolarem nos guindastes anatómicos das constelações/navegações:

                                                                                    ____manual da saliva gravitacional sobre os amplexos sibilinos da composição/jubilação aguacenta/erecta das nádegas/nêsperas equinociais:

                             ____GAIA SILVESTRE/antídoto da deportação dos ímans-galopados

 

________ O PRAZER DO TEXTO-SEIOS HIMALAIAS-PREMIER PÉCHÉ-“corpo é o pavio” insubmissas exalações/polinizações dos alvos-magmas devoradores

                                                                                         das inscrições musgosas:

______ aférese das rotas ciclónicas

                                            das víboras-arborizadas-de-sangue-de-ressaltos-caligráficos:

___ fracturas das ressonâncias das fímbrias transgressoras do escuríssimo batel:  ameixas-atlas das virilhas:

                                                ___ odorífero-bebedor de ardósias-trevos:

                                                _____ vedações da escaldadura-GAIA insaciável

                                                                             de ânforas-vaivém-de-vinhos e tatugens encharcadas de búzios-bonsais incomensuráveis

 

 

 

________INTERDITOS-DIONISÍACA-FLORESCÊNCIAS magnéticas-mitológicas desagregando os pomos/archotes bucais

                              como um chamamento das fecundações dos batuques transcendentes: _____fisionomia dos anzóis-rebentos dos insectos infractores/masturbadores

                                                                                            de silabas-vórtices do matagal:

____  pórticos/trelas combatentes das garupas voltaicas:

                                             ______  vagas de pêndulos a desvendarem as demarcações do colmeal-chafariz-anelante:

                             ___ celas-de-resinas construtoras de relinchos e candeeiros de fôlego:

___têmporas das oficinas ferozes a desentranharem os diamantes pulmonares

 

________PALAVRA-DESJEJUM-“corpo DUPLO”-RETRATO FALADO-“da boca intensa”-LAMBE-LAMBE-RAINHA DE CÓPULAS a engalanar o golpe do sémen

                                                                nos antropofágicos pousios da cabeleira leonina:

 ____ holofotes despenhados oleiam os gomos das guilhotinas-da-pele

                                                                          como um corrimento-vulvar-inextinguível entre os besouros revolvidos nos nenúfares-azougues:

____ ponteiros-das-câmaras-invasoras a (re)menstruarem as roseiras

                                                                                               dos plasmas meteorológicos:

_____ furacão primacial a sazonar as síncopes argilosas/genitais

                                               como um alvoroço de esporas nos voos das falanges-púbis: ____contracções das crisálidas no êxtase dos diques-virilhas-subterrâneas:

                                                                   ___chocalhos evocando os pluviosos rizomas:

___ tufos frenéticos apunhalarem preciosamente as assinaturas estonteadas das línguas

 

__________ANA MARIA RAMIRO_____ DESEJO DE GAIA_____“SÂNDALO E ROSAS”____TANGÊNCIAS repercutidas nas fulgurações

                                                das corolas petrificadas nos bebedouros das dramaturgias:

_____ eléctricas povoações nos rodopios das bigornas telúricas

                                                                       onde os cânticos das devastações-bailarinas acomodam as erupções dos caçadores de espáduas

                                                                          nas ígneas/indígenas cornijas das estevas:

_____alicerces/ondulações dos malhadouros dos licores transcorrendo

                                                                                     sobre as culminâncias implacáveis das precipitações-das-espigas-do-vento:

                                       ____ paisagem-GAIA-vocabular a estrangular/fincar a transfusão-cevadura das locomotivas inumeráveis das tangerinas (opulenta espadana):

                          ____fertilidade das antenas-danças-torrenciais-insubordinadas:

____ argaços lancinantes/panorâmicos a anestesiarem as dobras das artérias

                                                                    com a invencibilidade das fechaduras seladas pelas gravuras ubíquas da ventania:

                                          _____ túneis laminados das residenciais orgânicas

                                                                           no combustível respirador das plumagens

( afluências fonológicas do valado-GAIA):

___fulcros guturais/insulares a irrigarem as cavidades

                                                                das coordenadas do som-dos-lençóis zoológicos:___ precipício estendido no prodígio dos umbigos/escadarias comburentes:___unidade dos territórios fundidos/revolutedos

                                                                      na temperatura-bisonte-linfático-do-cântico: 

                                        leopardo-estuário-uvas-subcutâneas-de-GAIA