meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

A Hora Certa (há a hora certa?)

por Tânia Du Bois

 

“...são os sonhos que garantem a paciência suficiente para aguardarmos a próxima hora...”

(Lígia A.Leivas)

 

O relógio marca a hora certa. Norteia o tempo. Tempo de quem? Há a hora certa? Jorge Tufic reflete que “A hora. Quem / sabe da hora que / os relógios / deixam de ver?...” Hora certa, para quê, se o tempo exclui o relógio. O mais interessante é tratar do tempo como questão singular: sistemas de valores e modo de vida. Como diz Manoel de Barros, “Não atinei até agora porque é preciso andar tão depressa. / Até há quem tenha cisma com a lesma porque ela anda muito depressa. / Eu tenho. / A gente só chega ao fim quando o fim chega! / Então prá que atropelar?”

O relógio é o veículo de determinação da vida social, e nada é mais fascinante do que os cucos, com o passarinho mecânico anunciando a hora certa. Há hora certa para tomar cafezinho? Há hora certa para amar? Há hora para escutar os ruídos da rua? Ou escrever e reescrever a história e até tornar verdade a mentira bem contada?

Mário Chamie, no livro Sábado na Hora da Escuta, traça a perspectiva da situação, simbólica, sobre mudanças: o impedimento do encontro do homem com sua imagem e liberdade. Pedro Du Bois, n’A Hora Suspensa, aposta no tempo: sorte ou azar, suspendendo a hora em que se dá a liberdade.

Sem alterarmos a hora que mostra o limite das emoções e perspectivas. Muitas vezes nos deixamos aprisionar pelo horário e, quando transgredimos, precisamos de força para segurar o repuxo, como em Carmen Presotto, “Onze horas, mesa vazia. Olho e não resisto ao meu papel. Não há caneta...”, em Mário Faustino, em seu único livro publicado em vida, O Homem e Sua Hora, de 1955,“...como este dia é mais que sexta-feira / É a Hora mais que sexta e roxa.” e em Luis Fernando Veríssimo, no livro Poesia numa hora dessas?, “...Como é que se faz aquele maldito / relógio digital ... / parar de piscar?”

A vida demonstra que na maior parte do tempo os horários são incompatíveis com o tanto que temos para fazer, resolver, aprender e que, em cada momento, somos vítimas da nossa própria hora: o tempo nos coloca cara a cara com o relógio. Júlio Cortazar, no livro de contos, Fora de Hora, descreve de forma surreal a trajetória do mundo, onde as coisas acontecem ao mesmo tempo. Clarice Lispector, em seu último romance, A Hora da Estrela, diz para “...Não esquecer que por enquanto é tempo de morangos.”

Temos em mãos a nossa hora, aquela que acontece com a inspiração, que chega e define o tema, envolvendo-nos e fazendo-nos sentir realizados, como n’A Hora da Júlia, por ela retratada aos seis anos, na criação de seu primeiro poema, “Estrelas, oh, estrelas / Fico tão feliz por vê-las // Estrelas apareçam. / Estrelas, oh, estrelas.”

Diante das escolhas, o melhor é continuar no jogo do momento, até porque o relógio (re)vira a hora, como nas palavras de Izacyl G. Ferreira, “...Aqui ninguém escolhe / o ângulo do corte, / o ar que falta, o vão / por onde as águas saltam / no oceano do acaso. // Pode-se apenas apressar a hora.”

O simples ato de pensar estabelece conexão temporal entre o sentimento e a realização: criemos nossa hora certa.