meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

A LENTE...

por Tânia Du Bois

 

”Quem retrata / o momento / apreende a cena /

descortina através da lente...” (Pedro Du Bois)

 

A lente: o que você está vendo? É a ideia de que a lente capta e produz a visão nova, que pode ser considerada arte, “é incansável, registra cada ponto da paisagem”. Ela representa um modo de registrar cada ponto na imagem, revelando o movimento das figuras e encadeando o tempo fotografado.

A lente fotográfica traz a imagem própria, abstrata e poética, caracterizada pelo instante do flash que procura ultrapassar a luz. Com a lente o homem passa a ter nova perspectiva de mundo: percebe o objeto de diversos pontos de vista, unindo e representando a realidade no desenvolver da criação, na ilusão do movimento contínuo. É o olhar marcado que vai recuperar as paisagens, como elemento de reinvenção. segundo Benedito C. Silva, “Só com os olhos de poeta é possível ver...Ler as imagens é inferir, imprimir uma interpretação, gerando sentidos variados de acordo com a natureza dessa interação...Por mais que se encontrem técnicas precisas, e equipamentos sobre imagens e seu tratamento, o mais importante será o olhar do fotógrafo.”

Ao inventar um mundo mágico com a lente, questiona-se o realismo da arte, diferenciado por visões artísticas que refletem a nova imagem, onde nasce o diálogo que proporciona uma aliança feliz à expectativa do reencontro das pessoas como identidade visual: os objetos e a natureza se renovam na linguagem fotográfica, como Pedro Du Bois mostra no livro Retratos, poemas divididos em duas partes; na primeira, “nas fotografias o passado reassume suas lembranças” e, na segunda, Porta Retratos: qualquer momento, nos mostra o registro da lente, “...dizemos das vidas registradas / em fotografias / mostrando documentos, / provocando sermos nós mesmos...”

Na lente se considera a elaboração da cena, o tempo, os relevos e os cortes. Não conhecemos o que se esconde dentro da câmara; mesmo assim, a história e a natureza se revelam em função dela, com a qual, a arte necessita da inscrição histórica: a forma e o conceito como imagens que traduzem retratos ao se as abrirem luzes.

Das coisas mais surpreendentes na lente é a capacidade de percebemos um mundo impalpável e repleto de sugestões, com a sensação de termos vivido intensa prospecção do mundo e de nós mesmos.

Cacaso, através do poema Codaque, mostra, “O sol recorta as nuvens no seu mapa. / E a sombra bate de chapa”; e Júlia Du Bois A. Silva constrói, com seu recorte de leitura, imagens representativas ao poema: Codaque é a lente da Júlia.

Dentro dessa mesma lógica, encontro a ideia de continuidade, onde podemos percorrer várias histórias com visões independentes: vidas fascinadas pela lente e embaladas na beleza da luz.