meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

QUANTO CUSTA UM SONHO?

por Tânia Du Bois

 

“Quando sonho sou outra / Inauguro-me.” (Helena Kolody)

 

Um sonho não custa nada, mas requer investimento em tempo, criatividade e afeto. Gestos e palavras revelam um pouco da alma e da experiência, fazendo conexão com a linguagem do inconsciente: nossos sonhos.

 

“Persegui a luz? / Mal segui-a, tendo / onde o sonho pus, /

uma flor morrendo...” (Alphonsus de Guimaraens Filho)

 

 

É fundamental considerar o sentimento como a mais difícil tarefa: lidar com as emoções, porque coloca equilíbrio no dia a dia. Muitas vezes temos a audácia de interpretar os sonhos, mas a graça não está em desvendá-los, mas em vivê-los. Peninha escreveu Os sonhos, que Caetano Veloso interpreta ”... Tenho um sonho em minhas mãos, amanhã será um novo dia ...”

O ideal é sonhar com a opção que mais combina com você; repensar as experiências e fantasias, pois o poder de escolha dá a oportunidade de se reconhecer e, ainda, de viver onde podemos abrigar os nossos sonhos: verdades, o ter, o ser e o amor, porque achamos que há espaço em nossas vidas. “Agora, sim: / para onde eu flor / carrego meu sonho”, segundo Jorge Tufic.

A iniciativa é verdadeiro presente e faz você se sentir amado, desencadeando alegrias. O desafio está no plano emocional, por isso, tem de descobrir realmente o que está sonhando. Viajar um pouco na realidade, com os sonhos, é viver em paz e ter a dimensão da vida. Khaled Ghoubar escreveu, “Sonhar // como gosta a noite / a escurecer os dias / para os sonhos acordarem / dentro da nossa alma / a contar segredos e mistérios.”

No meio de bombardeio de ofertas, as novidades nas vitrines, vivemos num mundo em que os apelos de consumo estão por toda a parte. É preciso lembrar que a tarefa é dar tempo ao tempo, porque não se consegue tudo o que se quer o tempo todo. “Sonho //... restitui a lembrança do esquecido / gesto não realizado: nos sonhos / a incompreensão dos fatos”,como em Pedro Du Bois.

Nesta investigação, o coração aperta e muitas vezes o orçamento pressiona... um dia cai a gota d’água e você entra em curto circuito. Desaba em rompantes de emoção e nesse instante, entre o acontecido e a vontade de explodir, o desafio está em saber: quanto custa um sonho?