meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

ESTAÇÕES da VIDA

por Tânia Du Bois


 

Pétalas ao chão... / Primavera chegou! // O verão chegou /

...A vida clareou! // O outono brotou ... / Raízes ficaram! /

No inverno pleno / A palavra fria dita / Na alma marcada (Benedito C. Silva)

 

           As estações são pinturas compostas de elementos naturais que definem a vida. São paisagens que estão na imaginação de cada autor/leitor. São expressões que podem ser reveladas e movidas pela literatura. Segundo José R. Rodrigues, A vida não é paisagem: / árvores e flores em torno. / É uma grande viagem sem retorno.

               As estações, nas entrelinhas, são garantidas pela inspiração dos escritores: se diferenciam por suas palavras marcantes, viajam nas asas da vida e deixam marcas trazidas pelo vento, alimentando a alma. Alberto da Cunha Melo, indaga Porque o amor não continua? / ...Quem não recorda / quando a distância suas Rosas / pelo ar recebiam o amado?...

               Estações da vida são a sonoridade e a harmonia no poema. A poesia garante o embarque perfeito em cada nova estação. Os versos dão tons e cores que brilham em cada nova linha, como em Maria de Lourdes Cardoso Mallmann,A vida é colorida! / ...Os anos passam lentos / não existem tormentos. //...É verão! / ...O ar é quente, é paixão / que envolve com a emoção. / É hora de realizar / é tempo de semear. // ...É outono! / É a vida passando / na ilusão que está findando. // ...É o inverno! / O branco do cabelo / reflete a vida no espelho.

            Na estação da vida podemos nascer em qualquer idade e renovar continuamente o pensamento através de ideias concentradas na diversidade dos fatos, ao perceber os caminhos no exercício da arte de viver. O mundo se torna mágico quando as estações da vida são misturadas com palavras sem perfumar a flor e expressam a arte, cujo significado lírico é o girassol. Carlos Nejar no livro, Chapéu das Estações, reflete: ...Nossa pátria: / andar à margem / com o chapéu das estações / e nenhuma bagagem. // ...Um gibão de sementes / nas palavras...

               A natureza eleva a imaginação e, ainda, nos traz a apresentação dos imprevistos, através das estações. A reação é emocionante porque as estações cumprem os sonhos e desvelam os segredos da vida, num encontro consigo mesma: treinar o olhar sobre a natureza e exprimir emoções, como representa Pedro Du Bois, Estações // vezes, faço frio invernal / do tempo; outras / a razão principal ensolarando noites desprezadas; ainda / o dia antepassado / ao grito do vento uivante: morros romanceados em medos.

            Quem está no comando da própria vida, exala criatividade e atitude, que são as estações da vida, como em Gilberto Cunha, ...a vida funciona como uma rede autopoética envolvendo relações..ela produz continuamente a si mesma.