meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

BALÉ da VIDA

por Tânia Du Bois

 

“Palavras se (me) movem / poéticas viajantas / nessa música do corpo”

(Vera Casa Nova)

 

            Encenar a vida como dança de balé é multiplicá-la; resgatar as palavras em seu real significado para se inspirar e correr atrás do sonho. É através dessa linguagem que se encontra a liberdade. Dançar é ato poético, tal como viver. Antônio Boeiro disse que “todos nós somos Seres Poéticos”, e Mia Couto completa, “Quem quer uma eternidade olha o céu. Quem quer o momento olha a nuvem.”

            Passo a passo é possível aprender a dançar balé (a forma de fazer) como a vida ensina com elevada tolerância à incerteza (a forma de ser). O lado bom é que o balé da vida é feito de gestos, o que o define é a capacidade de transformar em ousadia as ideias para a realidade. Exercer a nobre capacidade de conceber o sonho e depois fazer dele seu palco para representar a realidade, como em Malu Silva, “... Entre os escombros do seu mundo desencantado, calçava velhas sapatilhas e dançava sobre o chão feito a giz, esperando respostas do tempo.”

            No balé da vida exigem-se soluções e remanejos para que se faça o que se gosta. É preciso desenvolver um conceito sobre si, para saber o que se pode fazer e quantos passos estaria disposto a dar. Dançar só é possível se coincidir com o sonho, não dissociado da vida. Sonia Regina, com sua poética, mostra, “... pés apalpam, da vida, / mais que o rigor, e experimentam // dançam nas asperezas aplainadas // sem mais desalento ou renúncias / a hora é de movimento: / baila, o justo // e prepara-se, o novo.”

            O balé da vida, muitas vezes, é situado em ambiente onde não há respostas prontas. O corpo e a mente estão interligados, um influenciando o outro, por isso é improvável que a emoção, por si só, seja capaz de desafiar o sonho. A emoção repercute no corpo e provoca o estímulo para que se dance o balé da vida.

            Encontro no livro de Pedro Du Bois, A Recriação da Mágica, que a dança é a leveza do corpo ao se saber presente, “teu corpo / acordado / tua mente / acordada / vive: // som / luz / voz presente //... Sorri o estar / em tempos /movimentando o corpo / desenvolta e solta.”

            Para dançar balé é necessário experiência artística, prática e palco, assim como, para vivermos a vida é preciso saber fazer um solo, onde a coreografia é real; que, segundo Pedro Du Bois, “... Somos todos atores diários / em espetáculos / pobres...”  

 

 

----------------------------------------