meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

CIRANDA

por Tânia Du Bois

 

            Encontro em Flora Figueiredo a poesia Ciranda, Cirandinha, “o quarto ao lado eles ressoam./ Sonham seus voos de infância, / cristalinos./ Doces meninas, bravos meninos. / Elas mergulham num mar de cetim, / enquanto eles, heróis contundentes, / retalham dragões incandescentes / que se escondem sob o mato do jardim./ Elas, donzelas indefesas;/ eles, valentões varões.//... Mas amanhecem. / Já de pé, afastam a madrugada, / seguem seu caminho. / Cada um por si, cada qual sozinho / a conquistar seu lugar no mundo. / num instante mais curto que o segundo, / são homens e mulheres batalhando / na procura da fugaz felicidade./ No quarto ao lado estão ressoando / um tempo de criança e uma saudade.”      

            A poesia de Flora anuncia que a ciranda é tempo, fato, acontecimento que alimenta a alma e harmoniza a mente. A ciranda é lembrança que traz à tona os pensamentos e as emoções, que me levam a acreditar em nós mesmos.

            Ela inspira a ciranda no dia a dia e, novamente, brinca com a história nas linhas traçadas, nos riscos do envolvimento pelo passado se fazendo presente. Mostra que a ciranda é vida em redemoinho: perder - ganhar, amar-ser amado, tristeza - alegria, bem-mal, bom-mau, sorte-azar, rosas-cravos; melhor dizendo, alguns não entram e outros não saem da roda. Onde a solidão tem olhar distante, girando no tempo.

            O fio condutor dessa poesia é a ciranda revelada com o silêncio da canção e no sono da criança, quando a ciranda é a palavra que habita, olha e se instala como carrossel.

            Lembrar Ciranda, cirandinha é permear a infância e descobrir o outro, o diferente, e ter a sensação de que o amadurecimento é caminho de imprevistos e, por isso, repleto de saudades e descobertas.  Esse contraste entre os sonhos (lembranças) e as aspirações (descobertas) é ruptura saudosa na poesia de Flora, que se misturam em provocação e diversão, numa sequência de ações que se complementam.

            Ciranda, cirandinha retrata o universo lúdico infantil, que reflete o palco da vida: personagens, músicas e brincadeiras sobre suas próprias experiências.