meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

A   desPALAVRA

por Tânia Du Bois

 

“Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma.” (Fernando Pessoa)

 

            Defino a despalavra como a dança de ideias que me seduz pela autenticidade dotada de silêncio, inverdades e discurso vazio, como o encontro de uma composição poética que traz a magia, o mistério e a fantasia.  A despalavra se impõe, sobretudo, como poesia de significação.

            Revelo a imaginação como a memória que inspirada traz surpresas nas entrelinhas e essa surpresa se impõe pela força do escritor: ao usar a despalavra, ele revela o pensamento que se cristaliza em poesia e constrói o inesperado. Ninguém como Jorge L. Borges para retratar, “El mundo, según Mallarme, existe para um libro; según Bioy, somos versículos o palabras o letras de um libro mágico, y este libro incensante es la única cosa que hay em El mundo: mejor dicho El mundo.”

            Muitas vezes, quem se propõe a traçar as palavras em um poema acredita na importância da arte da despalavra – a palavra além do significado, a despalavra de maneira diferente na pluralidade e diversidade linguística, como acessório. Essa variação é o processo decorrente da criatividade e da vontade de nomear os fatos, como em Orides Fontela, “Sob a língua...// alimentos beijos palavras // ...O saber que a boca prova / O sabor mortal da palavra.”

            Quem se dedica, tem em mente que trajetória irá tomar; passa a pensar na despalavra como a sensação que provoca o estímulo. “Não me rendo ao espetáculo, mas a emoção.../ Não me rendo às palavras, mas ao sentimento, / Rendo-me aos sonhos para poder viver, / Para alimentar-me a alma...” (Lima Coelho). Nesse sentido, sem dúvida a despalavra é o ponto relevante no poema que une forma e conteúdo em resultado que vai além do estético e da significação. Lígia A. Leivas diz, “...O traçado do pensamento /materializa-se  no desenho /rabiscado com palavras.”

            Criar é poder. Recriar é trafegar entre dois lados: expressão e imaginação; saber utilizar as palavras de várias maneiras, até inventar a despalavra e dar significado a ela. A poesia é o caminho mais gostoso por onde passear pelo mundo da imaginação, da despalavra ao sopro do reflexo, “... ainda não plantei girassóis dentro de mim / permita que meu corpo siga adubo de si / me escorregue aonde vá / não me pare por aí / me leve, me guie.” (Vânia Lopez).