meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“ESCONDERIJOS”

por Tânia Du Bois

 

            Esconder-se? Esconder o que os olhos não veem? O que o coração sente na saudade, como a lembrança em busca da incerteza da vida? Que vidas podemos esconder se cada vez mais ela está à mostra para quem quiser ver, sentir, optar e até mesmo para amar ou sofrer?

            Nilto Maciel em seu poema Esconderijos retrata a realidade triste que só fica escondida quando nos fechamos para ela, “No corredor o que fazia a infanta? /Por que não ia, não fugia logo / ou não gritava ou não chorava muito?... // Não sou parede ou árvore de Deus, / não tenho ouvidos e não vejo nada, / nem sei me conduzir por onde passo, / e nada posso desejar por elas, / as tais meninas nos esconderijos”.

            Parece senso comum as pessoas se esconderem das situações desagradáveis. O que causa a sensação de que só podemos nos esconder quando não temos condições para resolver o que vemos e, assim, os esconderijos passam a fazer parte da vida. Também penso que é imprevisível o resultado, já que não se consegue mensurar com exatidão as impressões ou as emoções que de fato elas provocam, como ainda em Nilto Maciel, “... Não sei o que a menina lá fazia / naquela noite escura, aquela treva. / Eu tive medo dela, sim, confesso, da solidão que a trouxe e abandonou, / do seu silêncio de quietude feito. / Então fugi prá muito longe dela, / aos gritos, louco, a lhe pedir socorro”.

            Quantas vozes temos quando nos escondemos? Esse é o poder nem sempre possível de classificar, mas que aguça a sensibilidade sobre a situação, quando colocamos a máscara para não percebermos as pequenas tragédias diárias. Pedro Du Bois, em seu conto Escondidos e Não se Mostram, revela, “... Éramos e somos os escondidos, os que não se mostram e que não se enxergam e esse relato é apenas para que todos lembrem como é lá fora e fiquemos na proteção que há dentro de cada um de nós”.

            Em cada janela fechada procuramos vultos e não mais o encontramos, porque temos a casa, a cidade e a vida como esconderijos, onde cada descoberta está encoberta pelo desejo do que cada um tem vontade de ver.

            Os escondidos se colocam atrás de biombos porque ocultam o outro lado: aquele que traz o desvelo do dia a dia e a luz do mistério. Eles tem o dom da incerteza onde a escuridão dos esconderijos traz a tristeza, como mostra Nilto Maciel, “... Tantas pequenas pelos becos sujos, / pelos caminhos tortos, sem sossego / e sem brinquedo, que pareço mais resto de gente a se perder na luz...”

            Tantos são os escondidos e os esconderijos que a triste realidade e o medo inventam um mundo suposto, atendendo apenas cada desejo e ocultando a versão dos fatos e as cenas do cotidiano. Nas palavras de Pedro Amaral, “... É uma tristeza sem adornos, / sem enfeite de lágrima...// É tristeza (assim seja) / De alguém que viu //... E não deteve o espanto”.

-----------------------------------------