meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Sobre O SENHOR DAS ESTÁTUAS

por Tânia Du Bois

 

            O Senhor das Estátuas é o novo livro de poemas de Pedro Du Bois, apresentado em partes: Poemas para Bez Batti, O Senhor das Estátuas, Matéria Prima Matéria Bruta e A Revisão pelo Detalhe.

            Pode ser lido como o encontro dos extremos que se tocam no pulsar das apresentações, onde as estátuas se cruzam em nossos caminhos e permanecem na criação e na arte, como descreve na primeira parte do livro, em que faz homenagem ao Mestre João Bez Batti, que lapida a pedra e mostra a máscara onde a face do basalto desenha os fios da vida do homem:

“Sente na pedra a finitude / e a ultrapassa em golpes / (as razões) irracionais dos ataques / como amar a solicitude / e aos gritos expulsar / do ato a insignificância // - os dias rápidos em passagens / permanecem: na pedra a permanência / aguarda nova explosão - // a transformação se adensa / em novas formas / e polimento / e a pedra está além da finitude: o infinito da obra”.

            Du Bois e Batti esculpem a pedra e nos deixam iluminar por ela ao desdobrar o sonho como única ferramenta da liberdade de criação. A poesia se reflete na arte quando trabalhada a pedra. Estar diante da máscara é estar ante a criação das artes plástica e literária, do mundo interior do ser, porque nela encontramos os sentidos que se rompem na descoberta e sob guardadas vozes. N’O Senhor das Estátuas não podemos negar que cada poema seja a máscara que se multiplica nas muitas formas que contemplam o todo e tudo fundamentam no que pode ser desvelado em gesto e palavra:

“Diante da imagem / chora a inexistência. // Lava o metal oxidado. / Leva a pedra ao ensolarado / dia de reconquista. // Deixa a máscara denunciar / a fluidez dos acontecimentos. / Referenda o nicho / onde reencontra a ideia / da sobrevivência”.

            O livro traz poemas que afagam, porque dão curso à estátua ao revelar a arte na pedra como tradução e reconstrução do pensamento em concretizando ato. Mistério sendo desvendado, onde Du Bois reinventa a realidade e nos contagia; que na abstração está a mágica de se ouvir a verdade, quando a vida se fia na máscara projetada na pedra: “A insolência da pedra na imobilidade. / Não se constrange diante / adiante / ante que alguém / diga a verdade...”

            O autor, através dos poemas, mostra que a pedra pode ser descortinada e esculpida na construção da vida de igualado tempo e espaço:

“Busca na estátua o significado / encravado pelo artífice: a dor / a fertilidade / o coroamento / a desfaçatez / a guarda do corpo / decomposto em tempo. // Rebuscada em sua esterilidade / a estátua traduz o despropósito / de ser tomada como referência”.

             A obra retrata o dom da pedra para não nos ausentar do mistério da vida. Os poemas despertam em nós a fonte das palavras, o grito da rotina e o instante em que a verdade é sempre autêntica em si mesma:

“A estátua sorri / abre os olhos / boceja / suas mãos retornam / à postura original / do corpo em movimento: // O senhor imobilizado em medo / não percebe o desejo em seu corpo: // não acompanha a estátua / em passeio diário. // Guardamos os olhos fechados / o pedestal vazio de intenções / e gestos”.

            Pedro, ainda, demonstra que a memória atravessa o tempo em nossos corações para (re) germinar o que um dia foi vivido: “A criança / grita: estátua // A brincadeira se acomoda / na realidade”.

            Sonhamos o sentido da vida e acordamos em realidades restritas; em outros mundos da poesia, onde nossas verdades ficam reveladas nas artes, como n’O Senhor das Estátuas, que nos mostra Pedro Du Bois, poeta que talha a pedra, sem lhe retirar a aspereza, em busca das palavras.