meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“POEMAS FAMINTOS”: Valmor Bordin

por Tânia Du Bois

 

           

             Poemas Famintos, de Valmor Bordin, é um livro envolvente tanto pelo lado tocante dos poemas, quanto pelo talento do autor ao descrever suas percepções e mostrar o que nos cerca no curso dos acontecimentos da vida. Segundo Armindo Trevisan (que faz a apresentação do livro), “... Existe nos poemas de Bordin, um sopro novo de vida, uma pulsação terruña, uma cintilante exuberância... Bordin não tem medo de sentir o que sente, nem de sentir mais que o comum dos imortais...”

            O livro cresce em dois rumos: revela as razões dos gestos e as razões ocultadas sobre o ato, “...Peço um mundo /onde o desejo não seja pecado mortal / e o beijo não precisa ser triste”.

            O autor mostra o segredo e a fórmula para ligar os traços da vida ao poetizar histórias, lições de vida, valores e conquistas. Também, considera a fonte de poder – o equilíbrio e a felicidade – como fator na conquista pessoal e na busca de imagens e fantasias, algo que pode dar a chave para a reflexão. “...Juro! / Não mover músculo algum / até que os papéis das gavetas / rebocadas de escuridão / confessem seus segredos / palavra por palavra”.

            A obra traz novo olhar, através da transparência das palavras, que tem a ver, de alguma forma, com a vivência do autor na área médica. Há, na literatura de Bordin, expressões demonstradas em atitudes transformadoras como tarefa difícil, mas possível. Que é possível mudar e/ou ajustar os pontos dos impulsos famintos, sobre como equilibrar as forças para enfrentar as mudanças. “... Abro tua gaiola / o que enxuga a vida. // Também queres voar? // Teu fôlego é ferido? / Arrisca! / Faz tua asa cortar ventos / para ser livre Val o risco”.

            Poemas Famintos são ideias tecidas com linha de fina poesia. É um passeio pelo mundo da inspiração, marcado pelo estilo e sensibilidade na percepção apurada e profunda do autor. É o retrato criativo que desperta no leitor o imaginário que busca na aceitação as relações afetivas e a resposta para deliberar sobre a vida com os sonhos, medos, ilusões e esperanças. “...Sonhando sonhos / pisando mil estradas / cinzas de fumaça / num dia só / milhares de sementes vivi...”

            Valmor Bordin tem a sua arte esboçada com a magia que se mostra nas entrelinhas da poesia, realidade e fantasia.