meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

W. J. SOLHA, qual o seu limite?

por Tânia Du Bois

 

“... Mas o que, / então / antes que tudo nos tomem, /

é o homem?”     (W.J.Solha)

 

   Lembro-me de W. J. Solha nos anos 90, e das suas obras exposta no hall do Banco do Brasil, em João Pessoa. Sempre admirei o seu trabalho artístico e a sua capacidade criativa. Já na época me perguntava qual seria o seu limite. Hoje, lendo algumas de suas obras literárias (História Universal da Angústia, Sobre 50 livros que eu gostaria de ter assinado e Esse é o Homem),  percebo que o seu limite é onde a imaginação o alcança na linha do horizonte.

   Essa pergunta provocativa norteia a vida literária e artística de W. J. Solha, onde seu desejo é o mais consciente sentimento, porque forma a teia de expectativas que aos poucos alastra a sua alma para alcançar ou ultrapassar o seu limite.

   Faço dessa pergunta o mote para as intervenções e, com ousadia, endosso suas obras literárias pela excelência de sua criatividade e linguagem em sua postura inquieta ao explorar ao máximo a sua produção e elevar a imaginação do leitor. Ele chega ao seu limite quando inova na arte brasileira, “...ou arte, / cujo fim põe o arremesso, / o começo, / onde se sabe – sem – receio – estar a verdade: / no meio...”

   Algumas pessoas são metamorfoses ambulantes em busca de seus limites; tornam-se incomparáveis e têm suas quebras de paradigmas em áreas que transcendem ao cotidiano. Solha é uma delas, porque possui alto grau de conhecimento e cultura. E, assim, ele altera a visão do mundo, para revelar o seu limite de forma brilhante. É perfeito artista que faz referências à épocas e fatos; mostra os rastros do tempo no espalhar suas palavras ao vento e o seu limite no modo como re(a)presenta os símbolos da linguagem: atemporais e universais. Sua descrição e composição estão ancoradas na imaginação para com a feição literária, “...também público e notório que o Homem, / quando se junta, / forma outro Ser Provisório, / vivo , / complexo, / horrível, formoso, / que pode ser chamado, / com propriedade, / de o Povão...Misterioso...”

   Até que ponto W. J. Solha tem consciência de que está no seu limite? Seu pensamento expressa a construção das palavras, dos sentidos e do viver e exercer a sua humanidade. Também, penso que o seu limite está atrelado à inúmeras páginas de experiências e rascunhos de ideias, com os quais pode reescrever os mistérios da vida.

   Para Solha, criar é um dos segredos para a constante mistura da satisfação e limite, que o consome com a certeza de mudar a realidade (tão complicada que é). Essa realidade que, ao mesmo tempo em que provoca a nossa exaltação, em definitivo, não nos permite conceber a vida sem estarmos abraçados ao nosso limite. Em suas palavras, “...Mas o drama que nos irmana / é que o homem pode até fazer o que quer, / com este poema, / uma ode, / mas querer o que quer, / não pode...”

   Para saber qual é o nosso limite, basta não desistirmos dos ideais e das ideias, que é na diferença que crescemos e nos transformamos, sempre atrás das obras literárias que nos fascinam por ultrapassarem os limites do nosso cotidiano, ao misturar as vozes que tecem e entrelaçam as trajetórias limítrofes. Para Solha, “...A vida – tão previsível quanto incompleta - / precisa, / de vez em quando, / de um gol olímpico / ou de bicicleta...”