meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Recados: O LIVRO

por Tânia Du Bois

                                   

            “Os livros // É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir”; José Gomes Ferreira, com seu poema “Os Livros”, mostra que basta abrir um livro para ver as histórias que nele pousaram... Ao descobrir o segredo, pode-se viver uma aventura, emocionar-se, aprender sobre a vida e ainda viver o sonho, como em Jorge Luis Borges, no Livro dos Sonhos, que conduz os leitores ao mais antigo e complexo gênero literário e o tenta definir, dando algum sentido aos sonhos (da noite e do dia).

Uma das imagens que me vem à mente quando pego um livro é a revelação que as palavras armazenam, como em Manoel de Barros, no Livro das Ignorãnças. Ele diz que as palavras têm sedimentos e assim, podemos redescobri-las. José Saramago, com sua obra, indaga: Que Farei com Este Livro? Para quem acha que os livros estão em desuso, que são meras peças de decoração, digo que isso passou e faz tempo. O livro por si só é figura carismática e se fizer parte da nossa vida, aí sim, nos acostumamos a ler e nos apegamos à ele.

Saliento a importância em se abrir um livro, através dos recados:

Charles W. Elliot, “os livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores”.

Jorge Luis Borges, “o livro é uma dessas possibilidades de felicidade de que dispomos”.

Leila Maria Barbosa, “às vezes um texto muito interessante passa despercebido porque não sabemos ler. Saber ler não é simplesmente ser alfabetizado. Saber ler é poder junto pensar com o autor, compreendê-lo e criticá-lo”.

Marina Colasanti, “o livro é algo que forma uma pessoa, que muda uma pessoa”.

Oscar Wilde, “é o que você lê quando não tem que fazê-lo que determinará o que você será quando não puder evitar”.

André Maurois, “a leitura de bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde”.

Pedro Du Bois, em seu Livro Fechado, convida o leitor para abrir um livro e mergulhar em emoções, com fatos, ilustrações e palavras; com o objetivo de revelar soluções criativas e ideias novas, “... Livro / sobre a mesa. // Livro aberto. // Orelhado / lido / rabiscado / rasurado / desenhado. // Número de telefone / escrito na contracapa. // Sobre a mesa, livro fechado”.

O livro aberto é capaz de levar o leitor a silenciosa viagem ao mundo da poesia, do romance, do conto, dando-lhe asas para a liberdade.

Abrir um livro é a justificativa da nossa existência. Não abrir um livro é a não comunicação com o mundo, a negação dos sonhos e da possibilidade de poder conhecer o novo. E para você, o que significa um livro? Qual o seu recado para o objeto livro?