meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

“LIXO REVOLVIDO”

por Tânia Du Bois

 

            Existe sentimento mais importante do que o de preservar a natureza? Você gostaria de ser o responsável pelo seu lixo?   Pedro Du Bois responde que “... sabemos que nossos lixos precisam ser revolvidos, criamos mecanismos de defesa: máscaras, luvas, emborrachadas botas, óculos com escuras lentes. Fazemos o trabalho com destreza e prática. E, ao que restar como monturo, viramos as costas e esquecemos”. Cada pessoa deve pensar no seu estilo de vida, nas suas escolhas de consumo, e o que os cansam na frágil vida da Terra.

            Morar à beira mar, ver o mar quebrar na praia, relaxar na areia: andar, correr e brincar, isso é bonito, é bom e saudável. Dorival Caymmi, nos anos 70, compôs: “... o mar quando quebra é bonito...”. Agora, no século XXI, precisamos anunciar que o mar não é depósito de lixo. Que o mar é essencial para a produção de chuvas, e que sem elas não há vida. Tudo o que é jogado no mar, na praia, é levado pelas marés e enchentes, como demonstra Du Bois, “Água renovada / barrenta / carregando terras / lixos / animais mortos / vida // represa em águas / de falso brilho / e transparência // o fundo / lodo / entulho // a sujeira em curso se decompõe / em novas vidas”.

            A resposta está no coração. Com ele no comando a vida resplandece e a diversidade pode ser superada com criatividade, bom senso e, sem motivo especial, em qualquer hora e em qualquer lugar, como reflete Reginaldo C. de Albuquerque: “O tempo passa...em nome do progresso, / mesmo cheio de glórias, já defeso, / o lago vergou ante a sorte hostil...”                                                          

            Pensemos sempre nas maravilhas da natureza, muitas vezes esquecidas e violadas. A natureza não conhece fronteira. E a nossa saúde depende dos cuidados para com o lixo. A ética também está na limpeza moral, e lembramos que antigamente existiam placas – pelas cidades – alertando que, “Cidade limpa. Povo culto”.

Pergunto: você é culto o suficiente para valorizar e preservar a natureza? Em cada flagrante, em cada pessoa, em cada sensação serão preservadas as belezas naturais, verdadeiros tesouros arquitetônicos para serem vistos e revistos... Nei Duclós lembra que “A forma do mar é teu rosto / e o som da areia teu passo...”.