meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

a Magia se Renova com Nilto Maciel

por Tânia Du Bois

 

           

             Inspiração é a expressão que me faz acreditar que a boa literatura me ensina a viver neste mundo e a sobreviver na expressão literária como força libertadora.  Como exemplo, a magia se renovou com os autores que lutaram pela liberdade de expressão: Carlos Drummond de Andrade; José de Alencar; Guimarães Rosa; Augusto dos Anjos e, agora, com Nilto Maciel no livro Gregotins de desaprendiz.

            Nilto Maciel é feito de palavras: a magia com ele se renova no instante de ser a transparência das palavras; na transformação do pensamento em desejos, para revelar escritores que tem a palavra como bandeira da liberdade de expressão e da liberalização dos costumes em favor da cultura, como “Alheio à palavra de ordem “poesia deve ser um jeito de denúncia”. (Capítulo: Outros Poetas do Ceará)

            A magia se renova quando Nilto, em Gregotins de desaprendiz, abre as portas

para o leitor conhecer quem sustenta a boa literatura e assim, a poesia e a prosa ficam como instrumento de sedução, onde o estilo e a inspiração oferecem ao leitor a imediata sensação de bem estar, até porque o bom leitor procura por novidades. E, a redescoberta por Nilto de tantos escritores esquecidos, desconhecidos e desconsiderados pelo mundo editorial, enriquece e espalha pelo mundo a mágica renovada em “padrão” de textos consagrados, fazendo do leitor o seu ponto de encontro. “Por extensão, a palavra é, ainda, pedra no meio do caminho e nela o poeta tropeça para descobri-la. A palavra existe em abundância e ao poeta cabe alcançá-la”. (Capítulo: Joanyr de Oliveira: um poeta quase Bíblico)

            É efeito e tanto; fatia da literatura para enfrentar a realidade diária. Esse tipo de postura gera impasses: emoção versus razão e liberdade versus criação, onde a magia se renova.

            Nilto Maciel, ao desenhar palavras que sente e reapresentar autores que considera, rompe com a norma e a transgride na literatura e, algumas vezes, no comportamento, porque ao criar mostra diversas nuances ao mesmo tempo, que revelam a sua manifestação cultural. “Até onde ou quando somos sempre outros?” (Capítulo: Socorro Trindad: Misturando o joio e o trigo.  Ele      renova a magia com as observações  e personifica sua escrita no desvelar autores e transmitir suas sensações, que variam de acordo com o momento da leitura e da época, como expressa W. J. Solha: A Lucidez Possível.

            Nesse sentido, o livro Gregotins de desaprendiz é dinâmica de inspiração, onde Nilto Maciel registra aquilo em que acredita: obras com liberdade de expressão onde a magia se renova. Ainda, mostra que mesmo as coisas mais simples podem se tornar sublimes na escrita.

            A magia se renova nesse livro, porque tem o que dizer sobre todos os tempos; resgata emoções e recupera valores em épocas de incertezas. Nilto deixa claro que o escritor mais indicado é aquele que consegue conter a alma da obra e refletir os sonhos na literatura.