meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

MEDO DE TER MEDO

Por Tânia Du Bois

 

“A cada novo dia, / a vida me oferece / o tesouro das horas, / inteiramente minhas.”

(Helena Kolody)

 

                        Medo de ter medo, de estar desprovido de idéias, de recorrer ao velho hábito de ligar a televisão e assistir sem participar. De não ter e nem ouvir a melhor história de todos os tempos, em troca da TV. De não compartilhar nada de agradável a quem poderá me fazer companhia.

                        Luiz Coronel alerta que “A TV / é a vida / em máscaras contidas. // A TV / é uma metralhadora giratória / A câmara dispara imagens, estórias... // A TV / é a verdade entre aspas.”

                        Medo de ter medo de ser condicionado pela imagem e pelas palavras; e permanecer estático ante o ilusório, sem atenção e fascinado pela própria obsessão, não percebendo que esse hábito se transforma em solidão, como em Pedro Du Bois: “... Sem futuro //... sós / sozinhos / isolados / indeterminados // não desligamos a televisão.” “Nem mais um sussurro... / apenas a televisão ligada / e mãos nervosas trocando de canal, trocando de canal.”

                        Medo de ser um jogo alucinatório – de um canal para o outro – desencadeando sentidos que possam cobrir a razão. Rubens Rodrigues Toner Filho atesta que “cada gesto novo é o seu silêncio”. E Álvaro Pacheco ressalta, “No espelho / as imagens da noite / e, por trás delas, / a televisão: //... a concupiscência exata / atrás do espelho / que se esconde da noite / na televisão.” 

                        Medo de ter medo de não saber aproveitar o tempo com as obras que os escritores oferecem para conhecer o medo através da arte e da literatura. E de reconhecer uma paisagem apenas pela televisão. E assim, se tornar um consumidor com carência para o bem viver; como na visão de Arnaldo Massari, “... O cultural e a cultura estão nos sebos. Contudo, na casa de cada um, a TV aberta ensebando ao que existe de pior...”.

                        De que perdidos gestos onde me alheio, encontro argumento para desvendar o medo de ter medo?