meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

MULHER e... os desafios

por Tânia Du Bois

 

     “A vida é um fio/ Que se tece ou se rompe/ A cada desafio.” (Rosália Miltsztajn)

           

            Já pensou quantos desafios a mulher encara diariamente? Ela não para. Tem a vida atribulada e o seu dia a dia vai ficando barulhento. Muitas vezes falta tempo para si. Com frequência tenta frear tudo para dizer a si mesma: calma! Mas essa voz é sufocada pelos compromissos.

            Chegado o momento para pensar, como fazer para sobrar tempo e desfrutar o que há de melhor? Para fazer escolhas e sentir-se bem? Então, aparecem os desafios: como mudar o ponto de vista prático e ser mais romântica? Como buscar a segurança? Valorizar-se? Buscar ser destacada pela iniciativa e sensibilidade, tentando dar brilho à vida? Gostar da vida e ter interesses? Vivenciar as experiências e os acontecimentos? “No jardim de inverno as folhas fechadas / em frios estames fixados em corolas, / as folhas murcham invernos: / vejo tempos antecipados / na cadeira ao fundo /e nela a mulher absorta / em folhas fechadas: flores / de nomes diferentes; a restauração / submersa ao frio: a mulher / se refere ao tempo de abrir as janelas”. (Pedro Du Bois)

            O desafio maior é quando, nós mulheres, fechamos os olhos e voltamos no tempo lembrando como a mulher conseguiu viver dentro “daquela caixinha (vidinha)”. Ainda bem que, ao desafiar o tempo e os limites, crescemos e passamos a ter a exata dimensão dos prazeres da vida, como reflexo da nossa existência.

            Esses desafios podem ajudar a nos libertar de antigos padrões e tentar deslanchar para as renovações que, junto com a harmonia e ampliando a nossa força interior, também manteriam o otimismo e, assim, nos permitiriam “mimos” para alimentar o ego e viver cada dia com intensidade. ”Mulher, tu és a convergência de dois mundos. / Quando te olho a extensão do tempo se desdobra ante mim...” (Murilo Mendes)

            Quando nós mulheres, ao enfrentarmos os desafios, conseguimos ser várias sem perder a essência, podemos, ainda, enfrentar o que há de mais justo na vida: a liberdade. Hannah Arendt escreveu que “o que proponho é uma reconsideração da condição humana à luz de nossas mais novas experiências e nossos temores mais recentes”.

            Os desafios das mulheres são ter uma carreira, zelar pela família; ser mais que feminina, ser mãe atarefada e atarantada e, ainda, sentirem-se perfeitamente realizadas. Amar e ser amada são os principais e mais poderosos desafios; a maneira terna e emocionante de expressar carinho e compreensão. Mulher... Os desafios são o caminho para cada uma encontrar seu estilo de vida.         “Fim do banho / creme no corpo / fragrância /um estalo...// teu olhar na janela / a me fazer a mais bela //... mulher!” (Carmen Presotto)