meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Da Vida, os Ruídos

por Tânia Du Bois

 

           

Sempre escuto, em toda a parte, a repetição do óbvio. Não quero ouvir o sermão das longas caminhadas, onde os homens continuam se iludindo. Quero mesmo é ouvir o som dos apaixonados, dos poetas, da noite chuvosa, da porta se abrindo e dos ritmos que não imagino: os ventos ao abismo dos ruídos, como demonstra Helena Kolody, “O vento harpejava, / pianíssimo, / nos fios telegráficos. / A tênue onda sonora / vibrava na luz do dia. / Abelhas de sol zumbindo na tarde quieta.”

            Quero ouvir as vozes da juventude e dos pássaros ao conversarem sem medo de lembrar os ruídos da vida, como em Stella Leonardos, “...Que ritmo o que me rege? / Porque vozes me abalam / na inquietude que levo, / ...nas estradas que falam, / no meu sonho disperso...”

            Conversar? Tudo escuto e nada compreendo. A vida se apresenta assim, ouço os ruídos e persigo imagens poéticas. Por isso, meu coração se intromete quando vê a bailarina passar e o seu corpo dobrar no palco do entardecer, ao som do luar.  Segundo             Pedro Du Bois, “... a bailarina / estática / na cena / imóvel // no estupor da platéia / o aplauso / se espalha / no inusitado”.

             Retrato-me aqui, preservando a bailarina esculpida em seus passos, seus ruídos, seus rumos e na sua originalidade ao anunciar revela-se ao som da orquestra e dos aplausos.  Sonia Regina escreveu, “não há canduras em névoas/ mares não rugem...// O sax desamarra fitas e laços // pés apalpam, da vida /mais que o rigor. / e experimentam //dançam nas asperezas aplainadas...”

            Por aqui estou porque tenho voz, no entanto, escuto sorrisos, crianças e ruído dos gritos. Nas palavras de Artemio Zanon, “este ruído / de coisas machucadas /é a imagem morrente / da sementeira / pronta a se manifestar // Este ruído é brocar das raízes / possuindo a terra...”

            Choro a dor da liberdade quando vejo a bailarina em sua ascensão fazer um único voo e cantar uma só vez, então revoo  para o canto das lamentações para ouvir a voz no silêncio e os ruídos da vida.