meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

Esconder detalhes
---------------------------

MÁRCIO ALMEIDA: o desafio da crítica

por Tânia Du Bois

 

            Crítica é o limite entre o não conseguir e o superar. Ela possibilita uma literatura mais ativa, por oferecer a visão e a qualidade da importância do livro.

            Acredito que a crítica me leva à curiosidade e, consequentemente, facilita a escolha pela obra e pelo autor; ajuda a questionar imagens e palavras em cada campo, que outros ângulos e nuances virão depois dos mais importantes. O objetivo é único: avaliar a obra e o novo, o que me parece ótimo desafio.

            O crítico literário é a voz e o tom do livro que transmite a energia necessária para o criticado buscar inspiração e assim continuar a produzir. Também sei que uma crítica pode me derrubar como escritora em sua leitura, causando-me desconforto enquanto tento um tempo para digerir e retomar o processo da arte de escrever, pensando em melhorar fugindo da acomodação, como provado na crítica, ou me empolgando ao me dar conta de que – ainda – é um desafio o compromisso (sério) literário.

            O livro fica marcado na minha vida e a crítica me ajuda a agregar valor ao trabalho de produção dos textos. Cabe-me avaliar o que significa a opinião com a qual tenho de conviver, pois ela equivale a uma declaração de amor ou um relato sincero sobre a minha obra.

            Faço questão de reconhecer o conhecimento, a opinião e a visão do crítico literário Márcio Almeida, pois é quem desafia com comprometimento em favor da literatura e, principalmente, com a cultura. Merece destaque por que é desse “desafio” que nós escritores precisamos: a crítica com competência, transparência e honestidade, marcando com argumentos, justificativas e amplo conhecimento em suas análises sobre as obras literárias. Ele é diferencial muito além da simples leitura. Ao criticar meu livro de crônicas, Amantes nas Entrelinhas, me proporciona uma experiência interativa que, com fundamento, engrandece a minha obra com seus conceitos e lapidações exclusivas. Guiado pelo saber, re(a)presenta o que seria a verdadeira alma das crônicas, em Amantes nas Entrelinhas, com o intuito de proporcionar visibilidade à beleza da obra; produz cultura e a desenvolve enquanto elabora a sua critica na narração de diversas emoções e formas, com palavras para serem lidas e contempladas com o coração aberto.

            Sou grata por ter Márcio Almeida em minha vida literária. Não, não vivo contos de fadas. Mas, é bom saber que não estou só no desafio diário pelos meus textos. Reconheço e valorizo suas palavras de construção em relação ao meu livro, como símbolo da busca da superação em mim mesma. Também sei, claro, que graças a sua opinião profissional, posso viver mais feliz.

            Sinto-me à vontade e tenho o prazer em divulgar as palavras do crítico sobre meu livro:

 

PREZADA TÂNIA,
MUITO GRATO PELO ENVIO DE "AMANTES NAS ENTRELINHAS."
SUAS CRÔNICAS-RELATOS TÊM ANTES DE TUDO A MARCA DA LEVEZA, COMUNICANDO-SE DE MODO INSTANTÂNEO COM O LEITOR.
HÁ NO TEOR DO SEU LIVRO UM CERTO REALISMO DOCE, PORTANTO POÉTICO, QUE SE ESPALHA PELA DIVERSIDADE DE ASSUNTOS, COM PREDOMINÂNCIA DA URBANIDADE E DA INTERATIVIDADE DE GRUPOS HUMANOS.
APRECIEI SOBREMANEIRA A BATEIA DE EXEMPLOS MUITO FELIZES COM QUE VOCÊ CONSTITUI COMO QUE UM CORPUS CULTURAL A INDICAR MUITA VIVÊNCIA DE LEITORA DE VIDA.
ALÉM DE SEREM VÁRIAS AS REFERÊNCIAS EM QUE CONFESSA AMOR À NATUREZA, ÀS ARTES, ÀS PESSOAS QUE TÊM A CULTURA COMO UM REFLEXO POSITIVO DA PRÓPRIA VIDA.
SEU LIVRO MERECE PLENA VISIBILIDADE, PORQUANTO ENRIQUECERÁ A VIDA DE TODOS QUE TIRAREM PROVEITO DE SUA LEITURA. CONGRATULAÇÕES POR OFERECER UM LIVRO DE MUITO BOM NÍVEL.


RESPEITOSAMENTE


Márcio Almeida “