meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

Revelação: o “ANTIPOEMA”

por Tânia Du Bois

 

           Os dias são repletos de segredos e surpresas, como significado para manter, renovar, melhorar, mudar e recomeçar o que considero importante em busca do essencial, da sensação do viver, como canta Simone, “... vestidos de saudades vivas”.

          Segredo é o que que se revela a alguém, algo importante para a vida. A dúvida permanece quando o segredo deixa de ser, por que foi revelado quando era para ser reservado. Já a surpresa pode ser agradável e, por vezes, contribuir para causar ótima impressão em outra pessoa.

          Segredo e surpresa são palavras que desvelam e definem o estilo de vida; assim, nada mais natural do que compartilhar tais momentos com os amigos, o que de alguma forma impõe limites e adiciona confiança ao círculo de amizade; além de dividir as emoções no prazer de conviver com quem queremos estar no mundo real.

          Na semana das Letras, em Passo Fundo (RS) fui surpreendida pelo amigo e Poeta Paulo Monteiro, com um antipoema. Entregou-me dizendo, “fiz agora”. E eu agora revelo as suas palavras: “antipoema // logo as portas do cadafalso se abrirão / e não mais serei escravo de ninguém / voarei como um pássaro / nem sei para onde / mas será um lugar melhor do que este / aliás, qualquer lugar é melhor do que este // não enterrem meu coração na curva do rio / lancem minhas cinzas no rio da minha infância / entre as pedras do pinheiro torto / lá onde a jaguatirica e seus filhotes vão beber água / nos três potes quebrados pela saracura// à noite os vagalumes voarão em curvas sobre as águas / o corujão-de-orelhas lançará seus gritos de alerta / e minha alma // esta sacha de todos os poetas / ao lado da alma de manuel bandeira / ouvirá o chilrear do pardalzinho”.

          A surpresa, por vezes, revela o segredo como válvula de escape, onde o sentimento se traduz em mágicas palavras. Criamos à procura do reconhecimento? A resposta encontramos dentro de nós, como a palavra que move todos os dias, não é senão o resultado do significante em que nos sustentamos desde sempre. E, assim surgem expressões para contestar e justificar as atitudes como reação, como reflexo de projetos pessoais.

          Ao ser revelado o segredo ou se fazer surpresa, a sensação e a condição de exercício do poder têm o efeito de enaltecer a sensibilidade diante da realidade, onde tudo pode ser mascarado na arte de escrever; do sentimento sem desconfiança, para termos o prazer de viver preso nas palavras que retratam a realidade. As palavras saúdam e guardam o inédito em significações enquanto produção literária.

          O pitoresco no segredo e na surpresa é que ambos captam as histórias na linguagem que atravessa o cotidiano como invenção humana; o que me faz próxima do escritor ao considerar a surpresa na revelação das palavras no poema e em suas entrelinhas.