meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

SEGREDOS ENTRECORTADOS

por Tânia Du Bois

         

          Faz sentido os homens se perderem na poeira? Pedro Du Bois responde, “... o sentido perde / a razão e o irracional / supera / o consentimento.”

          Poeira é a expressão do momento que destaca o ódio que, ao nele se perder, o homem declara que limpar a poeira é fazer faxina na palavra, na qual se reinventa e a comanda entrecortando segredos. Segundo Jorge Luis Borges, “...Transformarei em pó a história, em pó o pó. / Estou mirando o último poente. / Ouço o último pássaro. Deixo o nada a ninguém.”

          O homem ao se perder na poeira interfere nos sentidos e entrecorta o segredo, o que pode significar medo de avaliar suas fraquezas e de sentir ódio. Como em Gregório Matos, “... E querendo eu mal a quantos / me têm ódio veemente / o meu ódio é mais valente, / pois sou só, e eles são tantos.”

          Se perder na poeira é deixar o vento transformar em odioso o que está em sua volta; como passar a vida sem notar que ela desperta bons sentimentos. O ódio deixa a marca na poeira e, nos pensamentos, reprime a razão, sendo o ressentimento trazendo lembranças indesejáveis.

          O homem ao se sentir perdido na poeira fica imerso no próprio pensamento, apenas prestando atenção nos segredos entrecortados, como em Carlos Pessoa Rosa, “... Pedras sobre a ação do sol / não derretem, não formam larvas quentes a escorrer até o mar... O ódio, sim, é vulcânico, tem calor e queima.”

          Nos segredos entrecortados, o homem tem a maneira peculiar de se expressar, porque é fonte de raciocínio, mas, também apresenta dificuldades proporcionadas pelos problemas do dia a dia, em diferentes situações. Nas palavras de Vera Casanova, “... Deixa meu rastro de dor / Misturado à paisagem / Desenhando o finito no infinito...” e Álvaro de Campos, “... a emoção intensa não cabe nas palavras: tem que baixar ao grito ou subir ao canto.”

          Quando o homem está perdido na poeira, não compreende ou detecta o quanto é incapaz de amar, porque carrega o ódio como enigma a ser desvendado. O mistério entre a razão e a emoção determina o desejo e o objetivo do homem de corresponder às suas expectativas. O que pode parecer como a incógnita que vem a confirmar o enigma: o ódio entrecortando o segredo. Nas palavras de Maria de Lourdes C. Mallmann, “Não se guarda a tristeza / numa foto, num cartão. / Ela fica registrada / no fundo do coração”.

          O homem pode se transfigurar ao sentir ódio e perder a compostura ao se envolver emocionalmente. Pois, esse sentimento deixa a pessoa amarga e, às vezes, agressiva, fazendo com que dê preferência às respostas doloridas e ofensivas, como a poeira que em ventos fortes parece cortar a pele.

          Quando as palavras amargas são jogadas ao vento, entrecortam-se os segredos e identificam-se os valores que reforçam a sensação de se perder na poeira. Fenômeno incompreensível, já que o homem passa horas sem perceber que está tomado pelo ódio. Resta apenas esperar que o tempo como construção do pensamento, mostre que sua liberdade e individualidade é a forma necessária para se desligar das pressões do cotidiano, para ganhar o sentido do tempo, enquanto entrecorta os segredos. Como expressa Pedro Du Bois, “Nada valerá o amor /... nossos atos / desmentirão as palavras //... ódios estarão em nossos olhos / lutaremos uns contra os outros / os mais fortes sobreviverão // ...aumentarão o ódio expressado / e chamarão a tudo de evolução.”