meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

entre a FLOR e o MURO

por Tânia Du Bois

 

“... Uma imagem vaga por entre os versos /

                           constrói  muros e os faz desabar...”  (Vera Casa Nova)

 

 

 

          É preciso ter o carinho necessário para enfrentar a realidade; para se aproximar da vida com a vida; para conversar com a pretensão de descobrir o caminho entre a flor e o muro, e reencontrar o sonho, como em Helena Kolody, “Pintou as estrelas no muro / e teve o céu ao alcance das mãos.”  

          Nas palavras de Pedro Du Bois, “...Falo em saltar sobre a amurada / inundando / a vida em detalhes...”. A partir da contemplação da flor, surge o momento em que projeto a vida e sinto a tristeza invadir a mente, quando fico de frente para o muroAmbos mostram a verdade de que somos feitos, em que conheço e compreendo o momento ao indagar: a flor ou o muro? Encontro em Vânia Lopes, “Ando construindo muros / para comparar minhas escadas escorregadias / meu desatino / deixo como pinturas no muro / sem assinatura / para não correr o risco de me perder”

          O fato é que a verdade se limita à simples diferença entre a vida e a morte, o que se confirma ou é relativo à visão muro, ou à imaginação da flor; do quanto a flor ilumina e o muro finaliza. Seja para reaprender ou reencontrar a plenitude dos sentidos, fazendo render as palavras e gritar que o muro expressa a mensagem onde o pensamento é a flor, como em Vera Casa Nova, “Na rua os gritos desenham muros.”

          Entre a flor e o muro está o impulso para construir a natureza e o homem; onde se fundem no sentimento da diferença sentida, concebida na perspectiva que confere especial importância ao desejo como manifestação. Tal sentido -  a flor - transcende a vida orgânica e acompanha o homem cerceado no muro como limite dos impulsos. Alcides Buss disse, “... Procuras à flor / no éter dos sentidos e palavras...” e,  Rodrigo de Souza Leão, no seu primeiro livro, Há Flores na Pele.

          Nessa construção entre a flor e o muro, o efeito resulta em segmentação e ruptura, cuja manifestação se dá por imagens como a nostalgia e a saudade que se confundem com os sentidos. Porém, como reconhecimento em que o homem privilegia o saber e se concede a primazia do sonho. “Persegui a luz? / mal segui-a, tendo / onde o sonho pus, / uma flor morrendo...”,  segundo Alphonsus Guimaraens Filho.

          A flor e o muro são mistérios do que pode vir depois e a  expectativa dos destinos. Entre a flor e o muro há a conversão do eu em nós, como processo dinâmico formado pelo passado e presente, ao ceder lugar a temas pessoais ou a capacidade sensorial, contraponto de vida na certeza da morte, como em Alexei Bueno, “oh flor, oh muro, / vós ambos sois./ Ser, este é, pois, / O liame obscuro // que há em vós. O puro / Elo. Depois, / Se se erguem sóis, / Se se alça o escuro, // Que importa? Estais, / Seiva, argamassa, / Aqui. Jamais // Sereis mais que isto / Que é, que não passa./ Oculto e visto.”