meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

SILÊNCIO

por Tânia Du Bois

                   

          O silêncio é fonte de inspiração?  Muitas vezes o comportamento tem formas impactantes que lembram a inspiração, como bem tratou Carlos Higgie, “... O silêncio é terapêutico. / O silêncio é um grito afogado. / É o afogamento do grito. / É a raiva sufocada. / A maldição do barulho... Tinha plena consciência de que as coisas estavam mudando, que o silêncio estava se perdendo, afogado por sons diversos, pelos gritos imperativos da realidade.”

          O gesto silencioso é o reconhecimento da nossa excelência, como suporte para manter vivo o sonho e imaginar o que sentimos quando separados pelo tempo, mas, juntos na paixão e no espírito para construir a história e, por influências, relacionar o interior com o exterior, tornando-os atrativo em determinados momentos, fazendo de nós o espaço onde o pensamento levita. Carlos Vogt mostra que “o silêncio é de moscas ausentes, / completo, geral, irrestrito, / por isso, de ouro, / quebrado apenas pelo atrito / com o silêncio do outro.”

          Não é de hoje que o silêncio é considerado instigante; sequência de momentos expressada de diversas formas pelas pessoas. Não falam para fazer jogo de cena ou porque estão preocupadas consigo mesmas ou construindo uma história, uma lembrança, como a trama envolvente e repleta de referências ao momento do acaso, nas palavras de Carmem Silvia Presotto “... Silêncio / que arquiteta o sonho...”.

          O silêncio ao arquitetar o sonho tem por objetivo treinar o olhar na medida do tempo, com novas ideias, e refletir sobre as novas experiências culturais, como os poemas de Paulo Leminski, ”no centro / o encontro / entre meu silêncio / e o estrondo.”; Armindo Trevisan, “Do silêncio nasce a palavra”; Lindolf Bell, “... tudo sobre a verde palavra / toda inteira / como um silêncio” e Antônio Rosa, “... tudo o que no silêncio nasce / e morre sem cessar. Talvez / renasça no poema.”        

          O silêncio é forma de sobrevida? Somos conhecidos por criar formas de sobrevivência e em nos tornar objeto na arte de viver, desvendando o silêncio através da escrita que, além de nos desnudar, seja nossa tradução literal; uma das tantas maneiras de viver, criar fatos, deixar parecer irreal o real e, talvez por isso, o silêncio se aproxime tanto do universo poético. Como demonstram os poetas Pedro Du Bois, “... procuro o barulho/ que alivie minha alma/ cessando o silêncio... // quero o vento trazendo/ ondas sonoras/ e o cantar dos pássaros...” e Lêdo Ivo “... Segredo e silêncio / são engano e vento.”