meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

“AS SOMBRAS LUMINOSAS”

por Tânia Du Bois

 

 

            As Sombras Luminosas, 1º lugar no Prêmio Cruz e Souza, em1991, de Ruy Espinheira Filho, onde encontro que “...Ninguém. E nada. E nunca. / Na distância, ... / me aquecem de seu azul. / O que respiro é ontem...”

        Cada escritor tem seu gesto, cada poeta tem seu ritmo ao colocar as palavras em movimento, e Ruy, em As Sombras Luminosas, com linguagem lírica, nos faz sentir o branco sol presente na noite em que as sombras se transformam em misteriosas luzes: sonhos? Talvez.

         Às vezes, em meio à nossas vidas, assomamos a sombra e as cores, como em Clauder Arcanjo, “Tentei-a em tons ocre, / o tempo pardo não a quis./ Pintei-a em laivos verdes, / A natureza, assim, não o bendiz. / Salpiquei-a, então de aluvião de luz. / Mas, serena a paisagem prometida.../ Tão só na fina memória (gesta)reluz” e  Pedro Du Bois, “A cor/ condensa / o sentimento//...- somos cores/ divididas.” A sombra é tal o envelope que se abre  para a vida ao admirarmos a tela de Benedito Luigi, porque o brilho se reflete nos olhos.

        Nascem no jogo de luzes, na união das cores, os nossos traços, as partidas ou uma explicação para o que os olhos vêem? Vera Casa Nova e Flávio Boave, respondem em seu livro Sombraluz – fragmentos.

        Lima Coelho pinta em sua Aquarela de Sonhos, iluminando os sentimentos, “...Agita-me o pulsar do coração.../ em mim brotam sensações diversas / vindas da correnteza do vento / Que ao tocar-me ficam dispersas // ... São assim os meus momentos / Em mundos cheios de cores / Onde pinto a aquarela dos sonhos.”

        Nas luzes não encontramos limites, que elas não entram em conflito com as sombras. Diria que depois do sol se erguer, a flor do mundo se encontra em nós. Oculta ou não se lança em cores no escuro da sombra, sob o obscuro que guarda a luz interior e que no alado avesso a deixa escapar em luzes vãs.

        Há o ser sobre o qual nenhuma cor, luz, sombra e texto versam como no poema de Carmen Presotto, “dou às costas à luz / ângulo de vidro / traio as sombras...// sonho em preto e branco.” E Alexei Bueno lembra que “... somos as bolhas de sabão / que a criança sopra, somos arca / Ricas de sombras, as nossas marcas / De nascimento dizem: não...”, ao que Amós Oz completo, “... a metade / iluminada do globo terrestre se arrasta, exausta, para a sombra / enquanto a metade escura tateia sua primeira réstia de luz."