meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

Por um AMANHÃ

por Tânia Du Bois

 

        Amanhã? E quando será amanhã? Caio Fernando Abreu, responde, “Amanhã é outro dia, aprendi isso ontem”. E Chico Buarque completa, “... Amanhã há de ser outro dia / Você vai ter que ver / A manhã renascer / E esbanjar poesia...”

        Com palavras, compartilho o amanhã comigo mesma. Grito frases de ordem lírica e vislumbro caminhos para me aproximar da porta do amanhã e reencontrar a passagem para o mundo externo, como mudança que transforma por fora, mas também renova a alma. Segundo Álvaro de Campos, “... Hoje não me resta.../ Senão saber isto:/ Grandes são os desertos e tudo é deserto.../ volta amanhã, realidade!...”

        É muito bom mudar e viver por um amanhã, sentir o desafio: quando será amanhã? O amanhã é redesenhar o projeto em tempo; é trazer informações relevantes e objetivas para a vida, com o interesse de se espelhar nas histórias de vida; um bom livro do autor escolhido. Como em Peninha, “... Tenho um sonho em minhas mãos / Amanhã será um novo dia / Certamente eu vou ser feliz.”, e Benedito C. Silva, “... coberto e atormentado por todos os pensamentos inúteis / sobre algo imutável, e quem sabe, amanhã, já não serei / eu mesmo.”

        E quando será amanhã? Amanhã é o entusiasmo que nasce da força excepcional para conduzir o destino. É construir com alegria o meu ponto de chegada e partida, reavaliando os rumos e me concentrando no momento de semear. O amanhã promete a colheita do esforço, do bem-estar nas relações e de usufruir o carinho dos amigos. Nas palavras de Vera Casa Nova, “Não deixo para amanhã /o que posso fazer hoje. / Pois amanhã é o amanhã / Quero preparação do amanhã / Pelo dia de hoje / A conquista de hoje / É a conquista do amanhã /... Qual o saber no amanhã revelará meu dia?” Compreendo que a liberdade depende do empenho e da atitude para viver o amanhã, com reconhecimento, como expressa Valmor Bordin, “... Queria a ti pertinho de mim / é que o amanhã / eu não conheço...”

        Manhã de céu nublado. O vento sopra frio na praia. A esperança de amanhã ser um dia ensolarado, na incerteza como tempero da vida, onde tenho muitas coisas para aprender e em cada conquista, um amanhã.

        Encontro no poema de Pedro Du Bois, “É preciso força e vontade / caminhar exige esforço / acordar não é só abrir os olhos // pela areia sigo os passos /de quem vai à minha frente // é preciso amor e coragem / caminhar exige respeito / dormir não é só fechar os olhos // vejo na água o corpo / nadando em largas braçadas // é preciso sorriso e alegria / caminhar exige atenção / voltar não é só retornar os passos // no encontro da areia e a água / renascem as esperanças do amanhã.”

        Hoje, espero por um amanhã. Tenho certeza de que o amanhã será melhor que o hoje e, ao fazer escolhas, construo o meu próprio caminho. Álvaro Pacheco, escreveu que “em algum lugar do mundo o dia de hoje / é ontem – em outros / será amanhã...”.