meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

n

loads.com.br

BRANCO: colorindo a palavra

por Tânia Du Bois

 

              

               Branco “é a junção de todas as cores do espectro de cores. Também é definido como ”a cor da luz” ou a que reflete todos os raios luminosos, não absorvendo nenhum e por isso aparecendo como clareza máxima” - segundo a Enciclopédia Livre.

          Um aspecto marcante na palavra branco é a atenção dada pelos escritores, enquanto elemento significante à sua finitude: a cor. Bom exemplo são os poetas que veem assim, como Carmen Presotto, “...Quando a noite cai / ...aninho-me em brancos papéis / e voo meus sonhos / até o ponto final.”, e Augusto Branco, “Teu mundo é espelho de você...”.

O branco é o espelho da nossa multiplicidade ao colorir a palavra. É beleza misteriosa que vira a página. Sempre há desenhos e palavras para colocar na folha em branco: chamo de beleza literária porque existe cumplicidade para com os escritores, tipo dia e noite que se completam. Eles desenham traços fortes com criatividade ao mostrar a face da poesia, superando o efeito da lógica, como em Jorge Tufic, “Ainda que seja / é bom repeti-la: / a página em branco. /...O branco ainda não fatigado / E as palavras imersas...”

        A palavra branco revela inclinação ao dizer ao mundo que o prazer está em ver e saber o que a cor representa: paz, pureza, ordem e outras conotações positivas que, por vezes, rompem o padrão da monotonia, quando questionam nossas verdades, nossas cores. Nas palavras de Carmen Presotto, “...Retratos brancos no preto / sem riscos coloridos / não produziriam arco-íris...// Tudo monotonia.”

        Quando o branco se torna realidade, busco a paisagem, que me inspira sonhos coloridos, como encontro em Paulo Leminski, “furo a parede branca / para que a lua entre... / frouxa no meu sonho.”

        O branco não é arrogante e nem influenciável, ele é convergência de cores. Age diante do contraste, sendo o contraponto que revela atitudes.  É a vida descomplicada, como no Livro Branco, de Millôr Fernandes, ou no Blanco de Octávio Paz, transcriado por Haroldo de Campos, sob o título Transblanco, em homenagem ao octogésimo aniversário de Octávio Paz, em 1994.

        O branco domina os extremos e sua beleza transparece como véu de noiva em cascata que avança na correnteza de versos; o momento em que o branco dá luz aos poetas que passeiam pelos labirintos da minha mente. Nas palavras de Benedito C. Silva, “No branco gélido / da luz do teu olhar, / escondes as cores / Pelos amores, /Que um dia tiveste”; e,emAntônio C. Osório que, no livro O Desafio do Branco, constrói a saga do homem:” as sombras da alienação humana, ou das verdades...”, texto que inspirou as ilustrações de Siron Franco.

        Ao admitir que os poetas desenham palavras, como luz num caminho escuro, tenho a iluminação como descoberta, no sentido de ir ao encontro da inspiração. O maior desafio, certamente, é deixar que o branco se instale na minha vida, como em Paulo Leminski, “... nunca houve isso, / uma página em branco. / No fundo todas gritam, pálidas de tanto.”