meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

 

 

foto:www.mensagenscomamor.com

MOMENTO de DESPEDIDA

por Tânia Du Bois

 

 

 

“...Será esta hora infinita / quando os olhos fixos contemplam /por trás das

 palavras descidas / uma imagem que vem de dentro?...”  (Theodomiro Tostes)

 

            Este é um dos versos do poema Canção sem Título, o último escrito por Theodomiro Tostes, um pouco antes do seu falecimento, ocorrido em 20.03.1986. Até parece que foi ontem que nos despedimos, foi uma perda e um dia marcante. É impossível imaginar que, mesmo passado 25 anos, ainda é o momento mais forte da lembrança.

            Realmente o tempo passa lentamente quando olhamos para trás e percebemos aqueles tempos: grande no tamanhão e na insondável saudade, como escreveu Theodomiro, “...Será esta hora esperada? / Uma hora que já não passa / Quando as mãos sem cor cruzaram / passivamente sobre o peito / até que o frio as penetrasse?...”

Hoje sinto que em cada despedida, o momento se repete com tristeza. O mal-estar está implantado em meu interior. A memória se enche de fantasmas amigos, que os outros não veem e, no entanto, ali estão presentes com suas obras, poemas e palavras, dando a sensação dos gélidos minuanos que cortam a pele.

            Reconheço o momento da despedida como algo que vai além dos sentidos. Apenas suporto a dor. A lembrança e o sentimento são maneiras para continuar com a expectativa de vida.

            Certo dia, conversando sobre o momento de despedida, a imaginação exuberante me conduziu com detalhes à cena onde a realidade me mostra que, no fundo, sou solitária; mas também porque tive amor por tudo o que tivesse sabor de aventura. Tostes reflete, “...Será esta hora da estrela / pingo de luz no mar noturno / a guiar o alvor de uma vela / pelos roteiros da procura?...”

Quantas histórias escuto sobre despedidas? Quantas hipóteses e quantas versões, triste vivo? Segundo Theodomiro Tostes, “...Que o teu corpo descanse em paz / que o teu gesto repouse em paz / e que nesse olhar tão profundo / brilhe o fulgor da última estrela / na aventura do último rumo.”

            Quando nem mais imaginava que me pudesse voltar a lembrança, incendiando o meu pensamento, então a história se repete e ressuscita em busca de explicações, apertando o coração. Depois dos momentos angustiantes, me encontro correndo em variados rumos, para onde instalada a verdade nua e crua. Nem tão rápido que pareça medo e nem tão devagar que pareça delírio, mais do que a sucessão (dos episódios do tempo) dos momentos de despedida, como encontro em Tostes, “... Ou quem sabe não há mais horas / no relógio que move o mundo / e o voo do tempo está parado / no frúme dos lábios mudos?...”