meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

NO SILÊNCIO DA DÚVIDA

por Tânia Du Bois

 

 

              “Não era o poema uma secreta transação,

              uma voz respondendo a outra voz?”        (Virgínia Wolff)

         

 

          Nãohá nada mais possível que o silêncio da dúvida. Odeio a dúvida! É comum passar por períodos de dúvidas. Mas qual a razão para se ter tantas dúvidas, senão a fantasia do viver, do amor, do sucesso, do medo, contribuindo para as preocupações do dia a dia, e a falta de dinheiro? Gilberto Cunha pergunta “Quem somos nós? – Difícil ter clareza de que aquilo que somos, em um dado momento, não pode ser dissociado do nosso entorno (coisas e pessoas); ou “Porque os sabiás cantam?”

          Tentar compreender a influência desses fatores pode trazer de volta a certeza. A comunicação, o cuidado ao falar sem julgamento prévio ou precipitado tem efeito mágico no silêncio da dúvida. O desejo de liberdade - não cobrar e nem impor atitudes - revê a dúvida para se identificar. Trocar ideias com os amigos sem perder a poesia, resolver os imprevistos e com eles a dúvida, do sim e do não. Resolver pendências e colocar-se à frente da situação, não evita a dúvida, apenas impede alguns incômodos. Resolver as diferenças em vez de cultivá-las, faz desaparecer a dúvida. Carmen Presotto diz que “A vida é esta dúvida / que agora me pergunta // - onde caibo em ti?”  

          Quantas vezes suspiramos nossas dúvidas em silêncio? Qual o segredo para se libertar de antigos padrões e ganhar autonomia para superar a dúvida? Ao esclarecer as pendências, evita-se o silêncio da dúvida e o confronto com os desafios: amar a si mesma para ser amada; concentrar-se no objetivo e planejar é buscar recursos para a decisão. Manoel de Barros reflete,“...Pois como não tomar banho nu no rio entre pássaros?”  

          No silêncio da dúvida, a verdade muitas vezes tem gosto de sal grosso ao descobrirmos que, para acreditar, é necessário construir o pensamento na certeza como princípio, transparência e aceitação, porque quando estamos em dúvida os valores servem de escudo e irradiam a visão claríssima da certeza e energia criadora.

          Tudo se define ao rever o modo de como lidamos com a dúvida: “na dúvida não ultrapasse”, ou no não se fechar entre os dias, depende da habilidade em como a enfrentar: fase marcada por mudanças, na visão de Antônio Olinto, “...Por que ter / ser Determinada forma / pele / capa / De vida...//  Nu, frágil e só, / Desfazer o nó / Das coisas?”