meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

foto: ultradowloads.comnloads.com.br

 

 

A LEMBRANÇA

 

por Tânia Du Bois

 

         

          A vida apresenta curiosas e surpreendentes idiossincrasias como fonte de energia e criatividade, como a lembrança que lança o desafio de conversar para detectar o fato, quando procuramos saber o que rege a nossa vida. ”É proibido chorar sem aprender, levantar-se um dia sem saber o que fazer, ter medo de suas lembranças...” (Pablo Neruda)

 

          A lembrança interage conosco, porque nos dá conforto. Ela tende a nos levar a abrir uma porta para seguirmos outro rumo: a necessidade imperiosa de renovação nos acompanha e vai de encontro à nossas vidas. Banal ou significativa, a lembrança ocorre todos os dias e pode nos inspirar pela bagagem de afetos que carregamos. “...As lembranças, as boas lembranças / mal resistem à acidez das lágrimas / refluindo a origens inseguras. // ...Encontrarão talvez aquelas imagens perdidas / nos sonhos antigos?” (Antonio Carlos Osório)

 

          Às vezes, nem gostamos do que lembramos mas, quando percebemos, vem à mente reforçando nossa capacidade de viver. Ela sobrevive ao tempo como questão de prioridade. Segundo Luiz Guimarães, “...vontade de ver de novo,/aquilo que lembramos / e que feliz nos faz, / em dias passados da vida.”

 

          A vida está na lembrança na qual tudo pode acontecer? Apegamos-nos à lembrança para dar algum sentido à vida? É mais fácil pensarmos que há o sentido – feliz ou infeliz - que aumenta a responsabilidade sobre os nossos atos. Acreditamos existir um motivo maior que una os fatos para provar que a lembrança é o nosso contato com a realidade, que reflete nossas ações.

 

          É bom lembrar para saber o significado do acontecimento, e só assim podemos alcançar, quem sabe, a felicidade, como em Pedro Du Bois, que lembra sobre Agosto de 1965, “...Lembro da neve caindo forte, / branqueando ruas, carros, os bancos da praça. // ...Todos pararam, / menos nós, jovens inquietos / circulando pela cidade. // Bonecos, / guerra de bolas, / bola rolando rua abaixo, / chuva congelando a neve. / O frio congelando todos nós.”

 

          Enquanto isso, a lembrança pode nos guiar e até nos puxar pela mão. Na dúvida, a respeito do que rege a lembrança, o melhor é fazer o que está ao nosso alcance para aumentar as situações benéficas, porque ela não tem ponto de retorno, apenas momentos históricos, como em Danuza Leão, “Com o pé no passado, lembro de coisas que não dá para acreditar: do tempo em que as desquitadas eram mal vistas; do amigo que se matou porque descobriram que era gay;da grande ousadia que era uma moça trabalhar quando seu destino já estava traçado: estudar francês e piano e casar e das mulheres que escondiam e que pintavam os cabelos. Faz tanto tempo assim? Ok, foi no século passado, mas ainda lembro bem”.

 

          Manter a lembrança, serve para prevenir e enriquecer as nossas experiências, ou o que estamos querendo de nós. A dor faz parte da vida tanto quanto a alegria. Prolongarmos a tristeza pode empatar a vida e impedir que as coisas boas aconteçam. Lembrar é indispensável para conquistarmos o amanhã.