meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

FELIZ  PÁSCOA

por Tânia Du Bois

 

           

 

            Em cima da mesa, papel colorido, fitas, tintas e brilhos. Caixas de papel de todos os tamanhos e cascas de ovos. Ao redor da mesa, amigos e parentes, reunidos para pintar os ovos e confeccionar os ninhos da Páscoa.

             Sabemos que celebrar a Páscoa é viver o espírito da Ressurreição do Filho de Deus. É unir-se para um dia especial ao festejarmos o momento religioso. Refletir sobre a renovação ao nos permitir criar mudanças em nossa alma. É nos inspirar, alegrar e nos emocionar, pelas pequenas atitudes que recuperam os valores essenciais, como o amor ao próximo. É criarmos novas posturas para enfrentarmos cada momento de incerteza, lapidando novas alianças: o que mantém a nossa esperança no futuro.

            Compartilhar a Páscoa é também acreditar no sentido de uma nova vida, como no poema de Cecília Meirelles, VIGÍLIA DO SENHOR MORTO:

     “Teu rosto passava, teu nome corria / por esses lugares do sol e da lua. / Como se contava a tua biografia!/ ... Guerreiro cortado de injúrias de guerra; não trouxe consigo nenhuma ferida /... Por tanta subida, por tanta descida, aqui dou contigo, no teu morto leito, / eu, que vim por ti salvando a minha vida! /... Sangue que tiveste, por perdidas cenas; derramou-se, longe, e é pó do pó sem glória, /...Por que serei triste com a minha memória, diante do teu corpo sem auréolas? Triste / pela minha viagem? Pela tua história? / Este é o Senhor Morto – e este, somente, existe. / Noite de vigília...                         

Dizer FELIZ PÁSCOA nos permite refletir sobre os motivos de tal consagração e, sobretudo, incorporar o preciosismo, motivo do fascínio, ligado à vida do homem. Segundo Hélio Pedroso, “O significado desta data religiosa é tão rico de mensagens, que encantou todas as culturas”. Isto é, novas mensagens são criadas e a adesão, a continuidade em acreditar na representação da morte e da ressurreição de Cristo, nos dá a certeza de que estamos no caminho certo: da liberdade e, assim, temos a oportunidade de encontrar a poesia de Antônio Olinto, “... No colher os dias e saber / Renascer no renascimento. / Na hora da paixão...”