meiotom  poesia & prosa

e-mail: meiotom@uol.com.br

 

   meiotom.blog                                                   TÂNIA DU BOIS

 

ESPECIAL

 André Carneiro

 Eunice Arruda

 Leminski

 J. Cardias

 Jorge Cooper

 Poesia Cubana

 Poema Libai

POESIA

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 Carlos Pessoa Rosa

 Convidados

 POESIA VISUAL

 Almandrade

 Carlos Pessoa Rosa

 Clemente Padín

 F. Aguiar

 G. Debreix

 Hugo Pontes

 José L. Campal

 J.M.Calleja

 Rafael Marin

 Poe-Zine

 Marcos Rosa

 Avelino Araujo

 Thierry Tillier

 FOTOGRAFIA

 Andrea Angelucci

 F. Pillegi

 Euclides Sandoval

 TITE

 GONDIM

ARTES PLÁSTICAS

 Lúcia Rosa

 Felipe Stefani

 Maria Domênica

 Lampros

 DIVERSOS

 Concursos

 Resultados concursos

 Resenhas

 Estatística

 

foto:www.flickr.com

 

O FORASTEIRO

por Tânia Du Bois

 

        Sentada no banco da praça, em frente à Catedral e a Feira do Livro, ouço o sino bater a cada hora, marcando a história do seu povo. Nesse momento, passa o forasteiro pela cidade pequena e de pessoas simples. Segundo Fernando Andrade,“...Não fossem minha língua e a deles,/Seria capaz de ver/tudo a distância: tudo diferente/ E tão parecido, às vezes...”

        É o novo estranho que troca olhares com o povo, e sua imagem se desfaz, antes mesmo de falar. Curiosos, todos o seguem com os olhos na esperança de dar uma palavra e assim descobrirmos a que veio até ali. Seria para a Feira do Livro? Para a tarde de autógrafo do escritor Paulo Monteiro? Ou está apenas de passagem?

        O futuro é grande mistério e o povo está desconfiado de que ele traz a forma abstrata do segredo. Mas, qual segredo? Os enredos mágicos? Estranhos costumes? Ele povoa o imaginário das pessoas ao não se desvendar.

        Pedro Du Bois, no livro Incerteza da Vida, mostra sua visão, “Sou estrangeiro / estranho personagem / vindo de remotos cantos // não trago palavras conhecidas / nem louvo os feitos históricos / faço desconhecidas as glórias/ e abstraio os mitos e deuses // não me reconhecem na igualdade/as mãos são recolhidas /sorrisos fechados/ cerradas as portas// sou estrangeiro com desconfiança...//não trouxe palavras de alento / nem a rima a métrica e o motivo.”

        Vejo que o forasteiro encara a vida onde carrega a sua fome e, dentro da mochila, traz a história e a desconfiança. Passa para as pessoas, entre tantos, o medo para com o estrangeiro, levando-as a esquecer dos gestos de igualdade, porque não o acolhem. Sentem-se invadidas em seus espaços. Procuram explicar-se pelos difíceis caminhos da incompreensão, marcados pela sinceridade com que demonstram serem incapazes de perceber o estranho em si mesmas. Nada lhes escapa: o modo de vestir, de andar, a cor dos olhos, o comprimento do cabelo, o cheiro, a sujeira e a falta do nome.   O forasteiro alterna os tempos das passagens na revelação do segredo: a verdade aos olhos da incerteza, onde as memórias se confundem como n’O Forasteiro de Walmir Ayala, com ilustração de Siron Franco (Coleção Arte para Criança).

        Esse mundo feito de palavras e cenas que se transforma pela qualidade da prosa e poesia, o forasteiro é alguém que subitamente chega a um lugar sem voz e espalha sua imagem com seu estilo, reivindicando espaço como personagem e buscando algo ainda diferente numa sociedade que “pensa” se tornar cada vez mais igual.

        Nas palavras de Ailton Maciel, “Numa noite calma de algidez cortante,/de tétricas visagens a vagar,/passava assobiando um viandante/entre insetos noctívolos a voar!// De repente... parou por um instante/e, tácito, ficou a meditar:/Pra onde irei em passo ofegante,/se não tenho um casebre onde pousar!?//Pra onde irei? todos me querem um dia,/depois me deixam sem pousadia,/à procura de um lar sempre a errar?// ...E saiu a correr o viajar./ O seu nome reluzente era o amor,/meu coração, coitado, era o seu lar.”